Própolis realmente funciona?

Novas pesquisas confirmam o poder antimicrobiano e antioxidante dos exemplares cultivados no Brasil. Ensinamos a tirar proveito desse reforço à imunidade.

 https://bio-orbis.blogspot.com.br/2014/12/propolis-funciona-e-como.html
Fonte da imagem: cemara.

VAMOS DESCOBRIR...

Se você procurar a origem da palavra própolis, vai descobrir que o nome foi criado pelos gregos e significa em defesa (pro) da cidade (polis). Certamente os antigos passaram um bom tempo observando as colmeias e notaram que o composto é fabricado pelas abelhas com o propósito de blindar a casa delas. "Ele promove o isolamento do ambiente, impede a entrada de luz e de umidade, além de resguardar o local de intrusos", explica o farmacêutico Pedro Luiz Rosalen, professor da Universidade Estadual de Campinas, a Unicamp.

Fonte da imagem: sucosjandaia.

E essa mesma proteção diante de organismos microscópicos se dá no corpo humano quando o utilizamos. São muitos estudos que apontam sua eficácia contra vírus, bactérias e fungos. Então é ai que está o sucesso nas estações mais frias do ano, quando gripes e resfriados insistem em nos atacar.

AS DESCOBERTAS DO PODER DO PRÓPOLIS

Novas pesquisas que confirmam o poder do própolis, foram realizadas por Rosalen juntamente com pesquisadores da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq) da Universidade de São Paulo, em Piracicaba. A equipe de cientistas avaliaram as capacidades antimicrobiana e antioxidante de amostras da própolis orgânica brasileira. "Elas foram coletadas em regiões certificadas, matas de preservação permanente, florestas de araucárias e áreas de reflorestamento no sul do Paraná e norte de Santa Catarina", disse o engenheiro agrônomo Severino Matias de Alencar, professor da Esalq.

As análises feitas no laboratório revelaram que, além de combater o excedente de radicais livres, associados ao envelhecimento precoce e a danos celulares, a própolis se mostrou bastante eficaz frente aos micróbios. "Seus compostos interferem na membrana celular das bactérias", explica Alencar. Tal efeito desestabiliza os microrganismos de maneira que eles acabam sendo facilmente exterminados.

Embora tal atuação seja reconhecida há milhares de anos pelos egípcios, que já utilizavam a resina para evitar a deterioração em múmias, os novos testes ajudam a entender como e até que ponto ela funciona. E claro a vantagem de ser orgânica, ou seja, livre de pesticidas e contaminantes. Ainda que boa parte desse tipo seja exportado, dá para encontrá-lo especialmente na Região Sul, uma grande produtora. O segredo está em verificar nos rótulos e conferir se há uma certificação de que o produto é realmente orgânico.



O PODER CURATIVO

O poder da resina fabricada pelas abelhas é uma verdadeira miscelânea de substâncias, por isso é tão poderosa. Mas, em meio a essa mistura bioquímica, um grupo se realçou nas pesquisas: os compostos fenólicos. Dentro dessa classe, os queridinhos são os flavonoides e os ácidos cumárico, cafeico e gálico. Estranhos nomes mas que, em nosso corpo, são responsáveis das aclamadas propriedades antioxidante e antimicrobiana. A médica Norma Leite, da Associação Brasileira de Nutrologia, alerta para outro ingrediente da família, a galangina. "É que ela tem ação anti-inflamatória", aponta.

Fonte da imagem: clickmedianeira.com.br.

Esse efeito, junto à sua vocação analgésica (sim, é efeito que não acaba mais...), responde pela popularidade da própolis contra as dores de garganta. "As versões em spray formam uma película no local e aliviam o incômodo", justifica a nutróloga. Sem contar que, geralmente, as infecções nas vias aéreas superiores, caso da amidalite, são provocadas por bactérias gram-positivas. "E experimentos demonstram que a própolis tem uma atividade antibacteriana mais pronunciada em micro-organismos desse tipo", conta Norma. "Ela inclusive amplificaria a resposta dos antibióticos", acrescenta.

Até as bactérias da boca saem perdendo com o produto das abelhas. "Os compostos fenólicos contribuem para a integridade do esmalte dentário e ajudam a prevenir cáries e a doença periodontal", afirma Rosalen, que se dedica a pesquisas nessa área. Não à toa, já existem empresas incluindo o ingrediente na receita de seus cremes dentais.

COMO USAR

A própolis parece ter tanto potencial terapêutico como preventivo. Mas isso não significa usá-lo como se fosse água. "Ingerir 15 gotas em jejum já seria suficiente para fortalecer o sistema imune", sugere Norma. Já o imunologista José Maurício Sforcin, professor da Universidade Estadual Paulista, em Botucatu, recomenda recorrer ao produto por um curto prazo, pois o uso contínuo e exagerado faz com que o organismo fique tolerante às substâncias e elas deixem de agir direito.

Fonte da imagem: emporiumbrasillis.blogspot.com.br.

"E é importante ter o aval do médico", lembra. Em seus estudos, Sforcin também tem observado a participação da própolis em prol da imunidade. "Suas substâncias promovem maior ativação das células de defesa, favorecendo o reconhecimento e a destruição dos micróbios", explica.

Mais um entusiasta do material resinoso é o professor Gilberto Franchi Júnior, da Unicamp. Só que por outra razão. "Observando células, notamos que uma das variedades, a própolis vermelha, é tóxica para aquelas que são cancerosas", revela. A linha de pesquisa é recente, mas promissora: se confirmado o efeito em estudos maiores, o produto renderia apoio extra na luta contra tumores.

Fonte da imagem: curademiere.ro.

Franchi conta que ele próprio faz uso da própolis pelo menos três vezes ao ano. E dá até uma dica para acabar com o amargor dos extratos: "Depois de pingar as gotas na água, espere uns minutos até que se forme uma nata. Quando a camada estiver formada, retire com a ajuda de um palito". Garante-se o benefício sem aquele sabor duro de engolir.

A engenheira de alimentos Beatriz Mello, da Universidade Federal de São Carlos, recomenda, verificar cuidadosamente a embalagem do extrato ou do spray e procurar selos de agências regulatórias, caso do Ministério da Agricultura. "Também vale observar a presença de álcool na formulação, já que nem todo mundo pode ingeri-lo", lembra a professora, que investiga a extração das substâncias da própolis vantajosas à saúde. Ao que tudo indica, apesar de o uso ser um tanto antigo, a ciência tem muito o que descobrir nessa mistura protetora por natureza.

VARIEDADE QUE VEM DA COLMEIA

"Hoje, no Brasil, temos catalogados 13 tipos de própolis", conta o professor Severino Alencar. "A classificação é feita com base na composição química e nas suas atividades biológicas", explica. Como nosso país tem uma baita biodiversidade, as abelhas dispõem de inúmeras matérias-primas entre o reino vegetal para fabricar a resina. E isso tem impacto nas características da própolis, bem como em sua coloração - que vai do esverdeado ao vermelho-escuro.

O TRABALHO DAS ABELHAS


Como as abelhas produzem a própolis que chega à sua casa? Descubra aqui, de uma maneira bem simples e explicativa:

Fonte da imagem: Planeta Sustentável.

1. Para fabricar a própolis, as abelhas da espécie Apis mellifera colhem resina e secreções de folhas, brotos, troncos, cascas e outras partes das árvores.

2. Os insetos se valem de bolsinhas em suas patas para carregar o material e adicionam a ele secreções salivares, além de cera e pólen.

3. Pronta, a mistura é utilizada para vedar a colmeia e protegê-la de micro-organismos. E ainda é empregada para embalsamar insetos mortos dentro desse lar.

4. A resina é extraída com coletores que recortam tiras de própolis. O material entra em contato com um solvente e nasce, assim, o extrato.

O USO DO PRÓPOLIS NO MERCADO


A própolis é usada para diversos fins, veja alguns deles:

Fonte da imagem: Planeta Sustentável.

No pote

A mistura de mel e própolis é bem-vinda pela ação expectorante e há indícios de que ela ajuda a atenuar a constipação intestinal. Mas os experts lembram que a alta carga de açúcar pede moderação pelos diabéticos.

No extrato

É o derivado que concentra maior quantidade de compostos benéficos. Os produtores costumam usar álcool de cereais como solvente para fabricá-lo, mas já existem versões com água.

No sabão

Além do aroma agradável, a própolis pode liberar na pele substâncias de ação antibacteriana. Daí por que especialistas chegam a recomendar seu sabonete a pessoas que sofrem com a acne.

Na pasta de dente

Pesquisas já provaram que o produto das abelhas enfrenta a cárie. Por isso ele foi incorporado a cremes dentais. Ainda assim, a pasta também precisa conter uma boa dose de flúor para garantir proteção.

No spray

Ele reina nos meses mais frios por resguardar a garganta. Geralmente vem combinado com gengibre, romã e outros ingredientes. Pela sua essência antibacteriana, também combate o mau hálito.


Referência 

E VENHA SEGUIR NOSSAS COLEÇÕES NO G+, PARA ACESSAR OS LINKS É SÓ CLICAR NAS IMAGENS ABAIXO:

 https://plus.google.com/collection/MK9dQB https://plus.google.com/collection/0LmdQB https://plus.google.com/collection/Q5LvSB

Nenhum comentário:

Postar um comentário