Um pouco de gordura não mata ninguém

Tipo certo de gordura protege a saúde. Se você é daqueles ou daquelas que diz que não comerá de jeito nenhuma algo porque vai engordar, então reveja os conceitos e leia esse artigo.

Abacate é um dos superalimentos que contêm gordura “boa”, essencial para a saúde cerebral. Fonte da imagem: BelezaESaúde.

VAMOS DESCOBRIR...

Adotar uma dieta “light”, livre de gorduras, pode parecer uma forma eficaz e segura de perder peso quando se considera que gorduras contêm nove calorias por grama, em comparação com quatro calorias/grama em carboidratos e proteínas.


O NOSSO CÉREBRO

Se levarmos em consideração o fato de que aproximadamente 60% da matéria do cérebro humano consistem em gorduras, consumir alimentos magros ou livres de gordura, mas ricos em açúcar e carboidratos refinados, já não parece ser tão atraente assim para nossa saúde.

“O cérebro se mantém saudável com uma dieta rica em gordura e baixa em carboidratos, o que, infelizmente, é relativamente incomum em populações humanas atuais”, informa o neurologista Dr. David Perlmutter, autor de Grain Brain (“A dieta da mente”, Editora Paralela, formato eBook Kindle, abril de 2014).

Azeite de oliva. Fonte da imagem: naturalmentebonita.

“Pesquisadores da Clínica Mayo mostraram que pessoas que favoreciam carboidratos em suas dietas tinham notáveis 89% mais chances de desenvolver demência em comparação com aquelas cujo regime alimentar continha mais gordura. De fato, os níveis mais elevados de consumo de gordura foram associados a uma incrível redução de 44% no risco de desenvolver a doença, em que ocorre perda da função cerebral. É bem verdade que certos tipos de gorduras são mais benéficos que outros.


AS GORDURAS BOAS

As “boas” incluem gorduras monoinsaturadas, encontradas em abundância em azeite de oliva, óleo de amendoim, avelãs, abacates e sementes de abóbora, e gorduras poliinsaturadas (ômega 3 e ômega 6), existentes em óleo de linhaça, sementes de chia, óleo de algas marinhas e nozes.

Avelãs. Fonte da imagem: travessurassaudaveis.

“Na década de 70 e início dos anos 80... não falávamos sobre dietas de baixa teor de gordura. Falávamos sobre a substituição de gorduras saturadas por uma gordura saudável, poliinsaturada”, observa Walter Willett, professor de epidemiologia e nutrição na Harvard School of Public Health.

“Mas em algum momento em meados da década de 80, perdemos essa mensagem. Isso talvez se deva, em parte, ao fato de que alguns nutricionistas acharam complicado demais falar sobre diferentes tipos de gorduras, preferindo desenvolver a noção de que simplesmente deveríamos reduzir todos os tipos de gordura que existem”, acrescenta.

Óleo de amendoim. Fonte da imagem: dicasdemulher.

Com mais de cinco milhões de americanos vivendo atualmente com a doença de Alzheimer, pesquisadores estão examinando quais gorduras dietéticas poderiam ajudar a prevenir demência.

Olivia Okereke do Brigham & Women’s Hospital, em Boston, Massachusetts, testou como diferentes tipos de gorduras afetam cognição e memória em mulheres. Ao longo de quatro anos, ela constatou que mulheres que consumiam grandes quantidades de gorduras monoinsaturadas tinham função cognitiva e memória melhores de modo geral.

Outro estudo, conduzido por pesquisadores da Universidade Laval, em Québec, no Canadá, chegou a resultados similares: dietas ricas em gorduras monoinsaturadas aumentaram a produção e liberação do neurotransmissor acetilcolina, que é fundamental para a aprendizagem e a memória. 
A perda da produção de acetilcolina no cérebro já foi associada à doença de Alzheimer.

Nozes. Fonte da imagem: omeutreino.

Infelizmente, o óleo de canola, rico em gorduras monoinsaturadas em sua forma natural, muitas vezes é hidrogenado para que possa permanecer fresco por mais tempo em alimentos processados.


NOVOS ESTUDOS

Um recente estudo realizado na University of California em San Diego demonstrou que óleos parcialmente hidrogenados, também conhecidos como gorduras trans, são prejudiciais à memória.

“Gorduras trans aumentam a ‘vida de prateleira’ dos alimentos, mas reduzem a vida útil da pessoa”, aponta Beatrice Golomb, a autora do estudo.

Óleo de linhaça. Fonte da imagem: dicasdemulher.

É claro que uma dieta bem equilibrada com muitas frutas e vegetais ainda pode ser a melhor maneira de permanecer saudável. Mas é bom saber que um pouco de gordura aqui e ali não vai matar ninguém.

De fato, ela poderia muito bem ajudar as pessoas a levarem uma vida mais saudável e mais produtiva.


E VENHAM SEGUIR NOSSAS COLEÇÕES NO GOOGLE+. PARA ACESSAR OS LINKS BASTA CLICAR NAS IMAGENS ABAIXO:
 https://plus.google.com/collection/Q5LvSB https://plus.google.com/collection/Ut3sQB https://plus.google.com/collection/0LmdQB

Nenhum comentário:

Postar um comentário