Descubram o menor mamífero do mundo, o musaranho-anão (Suncus etruscus)

Possuindo cerca de 35 milímetros de comprimento, o musaranho-anão (Suncus etruscus) é o menor mamífero conhecido do mundo. Conhecido no meio científico como micromamífero, o animal pertencente à ordem Soricomorpha.

 https://www.bioorbis.org/2015/04/o-menor-mamifero-conhecido-do-mundo.html
O musaranho-anão (Suncus etruscus) o menor mamífero do mundo. Imagem de RPN por Pixabay


VAMOS DESCOBRIR...

✅ Canal no Youtube | Inscreva-se AGORA ✅ 

 https://www.youtube.com/channel/UCdjF1j_jYXGznBq955YWDoQ


O musaranho-anão (Suncus etruscus)


O musaranho-anão é um dos menores mamíferos do mundo, com comprimento cabeça-corpo entre 35,0 e 53,0 milímetros e um peso relativo 1,2-2,7 gramas. Externamente, o musaranho-anão é semelhante aos outros musaranhos da sua família, porém é facilmente distinguível pois apresenta uma cabeça proporcionalmente maior e a cauda mais longa (cerca de metade do comprimento do corpo).



As orelhas são bem visíveis (para alguns claro, mas outros precisam de lupas), os olhos são pequenos e a cauda é revestida com uma pelagem curta, com alguns pelos muito longos e salientes. Esta espécie apresenta pouca variação sazonal na cor da pelagem. Em geral, a cor da pelagem é cinza-acastanhado, podendo apresentar algumas manchas vermelhas no dorso. Na zona ventral, apresenta tonalidades mais claras, com três pares de mamas na região inguinal.


Comparação de escala para mostrar o tamanho diminuto do musaranho-anão. Fonte da imagem: topbiologia.

Ao contrário do gênero Crocidura (outras espécies de musaranhos), o gênero Suncus apresenta quatro dentes unicúspides na parte superior da boca, embora o último seja extremamente pequeno. Os dentes da mandíbula são semelhantes aos do musaranho-de-dentes-brancos, Crocidura russula, embora de menor tamanho. A sua fórmula dental é: 3.1.2.3/1.1.1.3. O musaranho-anão é um ser diploide com 42 cromossomas (2n= 42).



Onde esses pequeninos mamíferos vivem?


Os musaranhos-anão são bastante comuns no sul da Europa e no norte de África. Também se encontra presente no Médio-Oriente, Península Arábica, Ásia Central, Ásia do Sul e no sudeste da Ásia continental.



Na Europa, o musaranho-anão ocorre em torno do mar mediterrâneo, nomeadamente nas Penínsulas Ibérica, Italiana e dos Balcãs e em várias ilhas do Mediterrâneo. A espécie foi introduzida na Ilha de Tenerife, no Arquipélago das Canárias (Espanha). O musaranho-anão ocorre desde o nível do mar até aos 3000 metros de altitude.

Habitat e ecologia do musaranho-anão


Nas regiões do Mediterrâneo, o musaranho-anão prefere bosques abandonados com olivais, vinhas e outras áreas cultivadas invadidas por arbustos do Mediterrâneo. Ocorre também em jardins, maquis mediterrâneos, matagais e florestas abertas de carvalhos e pinheiros do Mediterrâneo, com muros de pedra, usados como abrigos. Esses pequenos mamíferos evitam dunas, florestas densas e terras cultivadas intensivamente. Já as espécies encontradas no Sul da Ásia, ocorre em florestas temperadas e tropicais, com contacto próximo a habitações antrópicas.


O musaranho-anão é bem mais ativo durante os períodos noturnos do que durante o dia, com pico de atividade ao alvorecer. Ao longo do dia, consome o equivalente ao dobro do seu peso corporal apresentando uma dieta insectívora, que inclui uma grande variedade de insetos, evitando os que possuem grande tamanho (relativamente a ele é claro, pois tem insetos gigantes, como algumas espécies de besouros) e exosqueleto resistentes composto por quitina. Apesar de ingerir praticamente alimentos de origem animal, há estudos que mostram que o musaranho-anão se alimenta parcialmente de azeitonas, possivelmente por o seu alto teor de óleo (López-Fuster, 2002).



Na ausência ou escassez habitual de alimento, já foram relatados em pesquisas o ato do canibalismo entre os espécimes. Já em condições desfavoráveis, também causada pela falta de alimentos, o musaranho-anão pode ficar em torpor durante várias horas, o que representa uma reserva de energia de aproximadamente 15% (Libois e Fons, 1999).


O musaranho-anão (Suncus etruscus). Imagem de Ralph Häusler por Pixabay

Os musaranhos-anão não são uma espécie que vive em sociedades, embora o grau de competição intraespecífica varie de acordo com a época do ano, o estado sexual e a abundância de alimentos. Assim, enquanto que durante a época de reprodução as fêmeas se cruzam com vários machos e existe uma forte atracão social entre os indivíduos, nos restantes meses aumenta a agressividade intraespecífica em ambos os sexos (Libois e Fons, 1999).



Os predadores desses pequenos mamíferos são as aves de rapina, como a coruja-das-torres (Tyto alba), a coruja-do-nabal (Asio flammeus), e o bufo-pequeno (Asio otus), embora não seja uma presa dominante (López-Fuster, 2002). Ocasionalmente também é capturado por carnívoros de pequeno e médio porte, répteis, algumas espécies de cobras e lagartos e também algumas aves diurnas. Repare que seus principais predadores são corujas, aves de rapina de hábitos noturnos, como eles.



Conservação e status de pela IUCN


O musaranho-anão está classificado pelo IUCN como uma espécie Pouco Preocupante (LC), devido à sua ampla distribuição geográfica (ocorrendo em muitas áreas protegidas) e à sua resiliência a mudanças repentinas em seu habitat, isso torna muito difícil o rápido declínio da espécie. Esta espécie encontra-se listada no Apêndice III, da Convenção de Berna. Está presente em várias áreas protegidas da sua distribuição geográfica.

Referências
Libois, R. e Fons, R. (1999). Suncus etruscus. Em: A. J. Mitchell-Jones, G. Amori, W. * Bogdanowicz, B. Kryštufek, P. J. H. Reijnders, F. Spitzenberger, M. Stubbe, J. B. M. Thissen, V. Vohralík and J. Zima (eds), The Atlas of European Mammals, pp. 1-484. Academic Press, Londres.
López-Fuster M.J. (2002). Suncus etruscus (Savi, 1822) Em: Atlas de los mamíferos terrestres de España. L. J. P. Muñoz, e J. Gisbert (2002). Dirección general de conservación de la naturaleza, Sociedad española para la conservación y estudios de los mamíferos, & Sociedad española para la conservación y estudio de los murciélagos. Madrid.
POUGH, F. Harvery; JANIS, Christine M; HEISER, John B. A vida dos vertebrados. Atheneu Editora São Paulo, 2006.
Sites: TopBiologia

6 comentários:

  1. Uilmara Machado de Melo29 de abril de 2015 00:14

    "As orelhas são bem visíveis"??? Num bichinho de 35 milímetros?... KKKKKKKKKKKKKKKKKK Demais!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkk verdade Uilmara, só da pra ver com a imagem ampliada. Que bom que gostou da postagem e comentou.

      Abraços,

      Equipe BioOrbis.

      Excluir
  2. É do tamanho de um filhote de camundongo hehe.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim e olha que esses ai são adultos.

      Abraços, Equipe BioOrbis.

      Excluir
  3. Nossa... Fiquei muito impressionda!!! Como um bichinho desse tamainho, pode comer uma larva maior do que ele!!! Kakakakakaka...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Priscila,

      Realmente esses animais são incríveis. Como ele é bem pequeno precisa manter seu metabolismo frenético ativo. Por isso come larvas, que são ricas em proteína.

      Um grande abraço, agradecemos pelo comentário.

      Equipe BioOrbis.

      Excluir

Imagens de tema por A330Pilot. Tecnologia do Blogger.