Cores diferentes, raça (espécie) iguais

Na imagem abaixo uma onça pintada (P. onca) e outra negra (P. onca). São a mesma espécie. O padrão de manchas é que é diferente.

 https://bio-orbis.blogspot.com.br/2015/07/cores-diferentes-raca-especie-iguais.html
Panthera onca. Fonte da imagem: R7.

VAMOS DESCOBRIR...

A cor da pele resulta de interações complexas entre propriedades físicas, químicas e estruturais do tegumento. Mudanças no fornecimento de sangue podem avermelhar a pele, como no rubor. A dispersão diferencial de luz, tal como o efeito Tyndall, é base para muitas cores na natureza.

Isso é o fenômeno que faz o céu de um dia claro parecer azul. Nas aves, as cavidades preenchidas por fluido dentro das barbas das penas aproveitam esse fenômeno de dispersão para produzir as penas azuis do martim-pescadores, gaios-azuis, pássaros Sialia e Passerina cyanea.

Panthera onca. Fonte da imagem: Do berço até o túmulo.

A derme contém os melanócitos derivados da crista neural, células pigmentares contendo melanina, e fibras musculares lisas, tais como aquelas nos mamíferos que produzem o arrepiar da pele ao redor do mamilo. Nos tetrápodes a derme abriga a maioria das estruturas sensoriais e nervos associados com sensações de temperatura, pressão e dor.

O ALBINISMO

O albinismo é uma anomalia congênita, isto é, uma mutação genética presente desde o nascimento. É autossômica recessiva, portanto, ocorre somente se ambos os pais são portadores saudáveis ​​ou albinos e é a razão pela qual é muito raro.

Os indivíduos com a anomalia são caracterizados pela falta total ou parcial de melanina, causada principalmente por um defeito no funcionamento de uma enzima, a tirosinase, essencial no processo de produção do próprio pigmento. A pele, o cabelo, os cabelos e a íris dos olhos perdem sua coloração característica, sendo assim a proteção contra os raios solares fica enfraquecida, causando queimaduras mesmo após uma breve exposição ao sol.

O MELANISMO

Albinismo também tem o seu oposto, ou seja, o melanismo, que é caracterizado por uma maior expressão de melanina do que os níveis padrão. Este evento também é causado por uma mutação genética.

Como mostrado no exemplo das panteras negras, que no qual têm seu pelo completamente preto. Se você olhar para elas bem contra a luz, você pode ver que as manchas típicas desses felinos ainda estão presentes, cobertas, no entanto, pela alta produção de melanina, veja na imagem abaixo.

Fonte da imagem: pixabay.

Os genes que causam a produção excessiva de melanina ainda não são conhecidos, mas sabe-se que o melanismo em onças-pintadas é devido a uma mutação de um gene dominante, enquanto o melanismo em leopardos é devido a um gene recessivo.

Em 2003, um estudo foi realizado em que se tentou estabelecer quais genes estavam na base do melanismo em duas populações diferentes de camundongos. A descoberta importante que foi feita é que, nos dois camundongos, as mutações que causam o melanismo envolvem dois genes diferentes. Mesmas características, diferentes genes envolvidos.

Outros casos relacionados ao melanismo

As mutações genéticas que causam o melanismo também podem ser causadas por ações humanas que alteram o meio ambiente. Este evento é conhecido como "melanismo industrial".

O estudo deste fenômeno foi realizado em uma espécie específica de Lepidóptero: Biston betularia. A mariposa Biston betularia existe em duas cores diferentes: uma forma clara, também chamada "normal", e uma forma de carbono escuro, também chamada "melanina".

A mariposa da Biston betularia, mostrando na foto as formas. Fonte da imagem: astronoo.

A mudança climática levou a um aumento na concentração da população de melanina de 1972 a 2002. O estudo também observou que sua concentração era maior nas áreas mais industrializadas e poluídas, com uma diminuição nas áreas rurais.

A variação gradual no tempo do fenótipo da mesma espécie é definida com o termo técnico "variação clínica". Essa variação é extremamente rara e afirma a força e o importante papel da seleção natural e do fluxo gênico (difusão de genes entre a população causada, por exemplo, pela migração de indivíduos em idade reprodutiva).

O que as mariposas sofreram no intervalo de 30 anos foi um processo de evolução adaptativa, no qual os organismos desenvolvem características adequadas para sobreviverem melhor as condições do ambiente onde vivem.

Referências
POUGH, F. Harvery; JANIS, Christine M; HEISER, John B. A vida dos vertebrados. Atheneu Editora São Paulo, 2006.
Kardong. Vertebrados, Anatomia Comparada, Função e Evolução. 2011.

E NÃO DEIXE DE SEGUIR NOSSAS INCRÍVEIS COLEÇÕES NO GOOGLE+, É SÓ CLICAR NAS IMAGENS ABAIXO PARA ACESSAR OS LINKS:

 https://plus.google.com/collection/YLgT0 https://plus.google.com/collection/8ZnoQB https://plus.google.com/collection/YU0mQB

Comentários