Hipátia

A primeira mulher documentada como sendo matemática.

 http://www.bioorbis.org/2016/03/hipatia.html
Hiátia, retratada pela artiz Rachel Hannah Weisz no filme Ágora de 2009. Fonte da imagem: universoracionalista.

VAMOS CONHECÊ-LA...

Nome: Hipátia de Alexandria

Nascimento: ca. 351-370
Local: Alexandria, Egito

Morte: 8 de março de 415 (60 anos)
Local: Alexandria, Egito

Área: Filosofia

Influências: Platão, Plotino, Diofanto, Euclides

Influenciados: Sinérsio de Cirene, Descartes, Newton, Leibniz, e a ciência em geral

Escola/tradição: Neoplatonismo

Principais interesses: Matemática, astronomia, filosofia, religião, poesia, retórica, oratória

Ideias notáveis: Lógica, Matemática

Obras: Suas contribuições para a ciência incluem o mapeamento dos corpos celestes e supostamente a invenção do hidrômetro, utilizado para determinar a densidade relativa (ou massa específica) de líquidos.

Υπατία

Fonte da imagem: wikipedia.

Hipácia, também conhecida como Hipátia, nasceu na cidade de Alexandria, então o caldeirão cultural da região que hoje corresponde ao Egito, em cerca de 355 d.C. Hipátia era filha de Téon de Alexandria, um renomado filósofo, astrônomo, matemático, autor de diversas obras e professor em Alexandria. Criada em um ambiente de ideias e filosofia, tinha uma forte ligação com o pai, que lhe transmitiu, além de conhecimentos, a forte paixão pela busca de respostas para o desconhecido. Diz-se que ela, sob tutela e orientação paternas, submetia-se a uma rigorosa disciplina física, para atingir o ideal helênico de ter a mente sã em um corpo são.

Como neoplatonista, pertencia à tradição matemática da Academia de Atenas, representada por Eudoxo de Cnido e era da escola intelectual do pensador Plotino que a incentivou a estudar Lógica e Matemática no lugar de investigação empírica, e a estudar Direito em vez de ciências da natureza.

"Hipátia" em apresentação no Haymarket Theatre, Londres, em janeiro de 1893. Fonte da imagem: wikipedia.

Hipátia se tornou a maior pesquisadora da Alexandria nos campos da matemática e da filosofia, legando ao futuro grandes descobertas nestas disciplinas, bem como na física e na astronomia. Ela se devotou igualmente à prática da poética e ao exercício das artes, sobressaindo-se na Retórica.

Esta mente brilhante cursou a Academia de Alexandria e, com o tempo e o domínio das mais distintas áreas, transcendeu as próprias conquistas paternas, mas deve muito ao pai, que sempre a estimulou a vencer qualquer obstáculo que tentasse impedir seu acesso ao saber, mesmo que se tratasse de qualquer princípio de fé ou de credo.

MUDANÇAS NO PARADIGMA PAGÃO PARA O CRISTÃO

O reinado de Teodósio I (379-392) marca o auge de um processo de transformação do Cristianismo, que efetivamente se torna a religião oficial do Estado. Em 391, atendendo pedido do então Patriarca de Alexandria, Teófilo, ele autorizou a destruição do Templo de Serápis (que não deve ser confundido com o Museu e a Biblioteca existentes em Alexandria, que não tinham nenhuma relação física com este templo), um vasto santuário pagão onde eram oferecidos sacrifícios de sangue, segundo os relatos dos historiadores contemporâneos Sozomeno e Tirânio Rufino.

Embora a legislação em 393 procurasse coibir distúrbios, surtos de violência popular entre cristãos e pagãos tornaram-se cada vez mais frequentes em Alexandria.

"Hipátia antes de ser morta na igreja", por Charles William Mitchell, 1885. Fonte da imagem: wikipedia.

Infelizmente essa trajetória brilhante teve um desfecho sinistro, que parece ter se configurado a partir de 412, com a ascensão do patriarca Cirilo ao poder. Ele era um cristão fanático, árduo defensor da Igreja e acirrado adversário dos que ele considerava serem hereges.

Neste contexto, os ideais científicos de Hipátia a convertiam em alvo fácil para Cirilo, principalmente sua crença neoplatônica, sua religiosidade vista como pagã, seus pontos de vista sobre o Cosmos. O fato é que ele contribuiu para que o povo de Alexandria acreditasse que ela estava por trás da recusa do Prefeito da cidade, seu amigo, em reatar os laços com o patriarca; ou, segundo outras versões, por sua amizade com esta autoridade, ela teria atuado como bode expiatório, uma vez que Orestes seria responsável pela morte recente de um monge.

MORTE


De acordo com o relato de Sócrates, o Escolástico, numa tarde de março de 415, quando regressava do Museu, Hipátia foi atacada em plena rua por uma turba de cristãos enfurecidos. 

"Morte da filósofa Hipátia, em Alexandria" do Vies des savants illustres, depuis l'antiquité jusqu'au dix-neuvième siècle, 1866, porLouis Figuier. Fonte da imagem: wikipedia.

Ela foi arrastada pelas ruas da cidade até uma igreja, onde foi cruelmente torturada até a morte. Depois de morta, o corpo foi lançado a uma fogueira.


E VENHAM SEGUIR NOSSA COLEÇÃO DOS GÊNIOS DA CIÊNCIA NO GOOGLE+:

 https://plus.google.com/collection/IPIdQB

Nenhum comentário:

Postar um comentário