O que é o Mayaro?

Primeiro foi o Chikunguya e, depois, o Zika. Agora, cientistas e epidemiologistas começam a se preocupar com outro vírus: o Mayaro.

 https://bio-orbis.blogspot.com/2017/12/o-que-e-o-mayaro.html
O mosquito Aedes aegypti, que transmite a zika, a febre amarela e a chikungunya, também pode ser um vetor da febre mayaro. Fonte da imagem: G1.

VAMOS DESCOBRIR...


Pesquisadores da Universidade da Flórida, nos Estados Unidos, anunciaram ter encontrado no Haiti um caso inédito de mayaro, doença caracterizada por uma febre hemorrágica similiar à da chikungunya.

Ainda que o vírus não seja totalmente desconhecido - foi detectado nos anos 1950 -, até agora só haviam sido registrados pequenos surtos esporádicos na região amazônica e seus arredores. Especialistas alertam que este caso pode ser um indício de que o vírus está se espalhando e já começa a circular pela região do Caribe.

"Os sintomas são muito similares aos da chikungunya. Por isso, quando o paciente vai ao médico, pensam se tratar dessa doença e não sabem que é mayaro", disse John Lednicky, que liderou a equipe da universidade americana responsável pelo estudo.

Sintomas. Fonte da imagem: biblioteca-medica.

Lednicky explicou não haver nenhum sintoma que distingua a chikungunya da febre mayaro. Ambas provocam febre, erupções na pele e dores nas articulações.

Em ambos os casos, os efeitos são mais prolongados do que em paciente com dengue e zika, chegando a durar de seis meses a um ano.

"O que está acontecendo é que estamos nos deparando com pacientes que se queixam de erupções na pele e dores musculares prolongadas, mas os exames dão negativo para Zika e Chikungunya. Então, o que afinal eles têm?", disse Lednicky.

Ciclo de transmissão. Fonte da imagem: fiocruz.

O preocupante é que o vírus detectado no Haiti é geneticamente diferente dos que haviam sido descritos previamente, esclareceu o especialista.

"Não sabemos se é um vírus novo ou uma nova cepa de diferentes tipos de Mayaro."

CASOS DE MAYARO

O vírus foi descoberto em 1954 em Trinidad e Tobago, mas até agora só se sabia de surtos isolados na selva amazônica e em outras partes da América do Sul, como Brasil e Venezuela.

Muitos pacientes no Caribe e na América do Sul podem estar sendo diagnosticados erroneamente com chikungunya. Fonte da imagem: tabascohoy.

O caso encontrado pela Universidade da Flórida foi identificado a partir de uma amostra de sangue de um menino de 8 anos de uma zona rural do Haiti. Ele tinha febre e dores abdominais, mas não apresentava erupções nem conjuntivite, sintomas normalmente associados à chikungunya.

Pesquisadores da universidade colheram uma série de amostras durante e depois do surto de chikungunya no Haiti.

Fonte da imagem: tabascohoy.

Após a análise virológica e molecular para detectar os vírus da dengue e da zika, foi confirmada a presença da dengue no paciente alvo do estudo e também de um novo vírus, identificado depois como o Mayaro, disse Lednicky.

Enquanto a atenção do mundo estava voltada para o Zika, "a descoberta deste outro vírus é uma grande fonte de preocupação", disse Glenn Moris, diretor do Instituto de Enfermidades Patógenas Emergentes da Universidade da Flórida.

INVESTIGAÇÃO PRECISA DE RECURSOS

Lednicky explicou que é "difícil avaliar o quão grave é o surto de mayaro neste momento", já que existem poucos estudos sobre o vírus.

"No Brasil, há dois tipos genéticos diferentes, e não sabemos qual é o mais virulento. Faltam mais estudos e monitoramento das áreas afetadas."

Um problema é a falta de recursos para fazer essas pesquisas, segundo médico americano.

Fonte da imagem: tabascohoy.

"Na Universidade da Flórida, estamos buscando fundos, mas é difícil obtê-los para esse tipo de estudo nos Estados Unidos. E no Haiti, os poucos recursos que eles têm são necessários para cobrir as necessidades mais básicas dos pacientes."

Lednicky acrescentou não saber o que vai acontecer no Haiti após a passagem pelo país do furacão Matthew, que poderia ter levado os mosquitos transmissores da doença até a República Dominicana e outras ilhas caribenhas.

POSSÍVEL ADAPTAÇÃO DO VÍRUS

A semelhança com o vírus da chikungunya também preocupa os cientistas.

Em um artigo publicado na revista Scientific American, Marta Zaraska, jornalista especializada em ciência, destaca que isso poderia explicar por que o Mayaro pode se tornar um problema generalizado.

Ilustração do vírus mayaro. Fonte da imagem: mosquitomagnet.

"Ambos os vírus eram originalmente transmitidos por mosquitos da selva, infectando pessoas na região amazônica, mas o Chikungunya tem se adaptado e hoje é transmitido por mosquitos urbanos, como o Aedes albopictus e o Aedes aegypti", que também transmite a febre amarela, a dengue e a zika.

Segundo Zaraska, "o mesmo pode estar ocorrendo no caso do Mayaro".

Em exames de laboratório, foi provado que o Aedes albopictus e o Aedes aegypti podem ser vetores da febre mayaro - e o fato do vírus ter sido detectado no Haiti sugere que ele também está se adaptando ao ambiente urbano.

Fonte: BBC.

E PARA DESCOBRIR MAIS VENHAM SEGUIR NOSSAS POSTAGENS NO GOOGLE+ (PARA ACESSAR E SEGUIR BASTA CLICAR NAS IMAGENS ABAIXO):

 https://plus.google.com/collection/YU0mQB https://plus.google.com/collection/Ut3sQB

 https://plus.google.com/collection/MK9dQB

 https://plus.google.com/collection/YNjvQB https://plus.google.com/collection/0LmdQB

2 comentários:

  1. Será que não chegou a hora de calarmos ambientalistas e eliminsarmos definitivamente esta praga ( mosquitos ) ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Jota5001,

      Consideramos praga pois transmite uma doença causada não pelo mosquito, mas sim pelo vírus. Eliminar o mosquito talvez não seja a solução, pois isso poderia acarretar em um efeito cadeia, como os mosquitos são presas de muitas outras espécies, como sapos, libélulas, lagartixas, entre outros, sem essa presa deles poderíamos causar outro tipo de catástrofe, podendo ser até ainda maior que essas grandes doenças. Lembrando que, esse vírus só conseguiu chegar esse estágio tão grave devido aos pequenos erros causados por nós mesmos.

      Um grande abraço.

      Equipe BioOrbis.

      Excluir