Abelhas em extinção

Quando falamos de abelhas, vem a nossa cabeça aquela abelha amarela comum. Mas quais são realmente as espécies que estão ameaçadas de extinção?

 http://www.bioorbis.org/2018/01/abelhas-em-extincao.html

VAMOS DESCOBRIR...

A verdade é que não é de hoje que as abelhas estão, lentamente, desaparecendo. Pesquisadores, cientistas, ONG’s, e todos nós, estamos preocupados com o que pode acontecer se as pequenas polinizadoras forem extintas da Terra. Não é à toa que até apareceram algumas soluções de alguns cientistas, tal como uma abelha-robô e também chips para saber o porquê elas estão desaparecendo, VEJA AQUI >> Chip em abelha tenta desvendar mistério de declínio em espécie <<.

E, pelo jeito, é melhor corrermos, porque alguns desses pequenos insetos foram colocados na lista de espécies em extinção pelo US Fish and Wildlife Service (FWS), o Ibama dos EUA.

Bom pra você entender o porquê delas estarem sumindo, e que é uma situação alarmante veja nessas nossas postagens abaixo (clique nos títulos ou nas imagens para acessar os links):

  https://bio-orbis.blogspot.com/2014/05/abelhas-o-perigo-da-sua-extincao.html
 https://bio-orbis.blogspot.com/2015/03/declinio-no-numero-de-abelhas-traria.html 
  https://bio-orbis.blogspot.com.br/2015/07/abelhas-com-alzheimer.html
  https://bio-orbis.blogspot.com/2014/10/7-motivos-pelos-quais-voce-deveria-se.html

  http://bio-orbis.blogspot.com.br/2015/05/declinio-nas-populacoes-de-abelhas.html
  https://bio-orbis.blogspot.com.br/2015/07/fim-do-habitat-das-abelhas-e-zangoes.html

Mas fique calmo, ainda não se trata de um apocalipse. Existem 25 mil espécies de abelha, ou mais ainda que podem ser descobertas. Para a lista do risco de extinção, entraram sete espécies, nas quais você vai descobrir elas aqui abaixo:

Hylaeus anthracinus
Fonte da imagem: wikipedia. 
Hylaeus longiceps
Fonte da imagem: weatherknow.
Hylaeus assimulans
Fonte da imagem: nationalgeographic.
Hylaeus facilis
Fonte da imagem: sites.
 Hylaeus hilaris
Fonte da imagem: zmescience.
 Hylaeus kuakea
Fonte da imagem: oladesigngroup.
 Hylaeus mana
Fonte da imagem: inaturalist.

Todas essas abelhas que estão em perigo são nativas do Havaí, e a hipótese do FWS é que a razão principal tenha sido a inclusão de espécies de plantas e animais invasores, que desequilibraram a fauna nativa. Outro problema é a urbanização cada vez maior das ilhas, o que favorece o turismo descuidado e a destruição do habitat natural desses insetos, e também, de outros animais e plantas da fauna nativa.

Mas o problema não se restringe somente ao Havaí: desde 2006, apicultores do mundo inteiro têm reclamado que as populações das abelhas caíram. De 2012 para 2013, 31% das abelhas dos EUA tinham desaparecido; na Europa, naquele período, o número chegou a 53%, e no Brasil, a quase 30%.

O pior é que ainda é um mistério a causa do seu desaparecimento repentino. Mas existem hipóteses que podem ajudar a desvendar, uma delas pode ser a poluição, outra os pesticidas, e outra é a drástica mudança climática.

Existe, também, uma doença chamada Síndrome do Colapso da Colônia, na qual as abelhas simplesmente abandonam suas colmeias sem que nada de errado aconteça, mas a síndrome também é um mistério, o que deixa os cientistas de mãos atadas. O porquê de ter essa síndrome ninguém ainda tem certeza, pode ser a soma de todos aqueles fatores citados acima, ou somente um.

Até descobrirmos a verdadeira causa temos que que tentar o máximo diminuir os fatores agravantes possíveis que podem estar levando a esse colapso das abelhas. Pois são muitos fatores, pode ser a junção de todos que pode estar causando isso ou somente um. Por isso enquanto não sabemos temos que combater todos de uma vez, antes que elas entrem em extinção.

Fonte: Exame.

E NÃO DEIXEM DE SEGUIR NOSSAS COLEÇÕES NO GOOGLE+, ONDE CADA UMA DE NOSSAS POSTAGENS ESTÃO EM CATEGORIAS:

 https://plus.google.com/collection/YLgT0 https://plus.google.com/collection/MK9dQB

 https://plus.google.com/collection/YU0mQB

 https://plus.google.com/collection/slsfQB https://plus.google.com/collection/o9fhQB

Um comentário: