Seria o Abominável Homem das Neves um Urso?

Um cientista ligou amostras de cabelo de um suposto "Yeti" ao DNA de uma antiga mandíbula de urso polar.

 http://www.bioorbis.org/2018/07/seria-abominavel-homem-das-neves-urso.html
O famoso Abominável Homem das Neves. Sera mesmo uma criatura mitológica ou um simples urso? Pixabay/Domínio Público.

VAMOS DESCOBRIR...


Um cientista britânico relacionou supostas amostras de cabelo do lendário Yeti, ou o famoso "Abominável Homem das Neves", a uma raça de ursos antigos do Ártico que ele diz ter sobrevivido até os dias modernos - mas outros especialistas dizem que os resultados precisam ser publicados antes de qualquer conclusão.

Bryan Sykes, um respeitado geneticista da Universidade de Oxford, no Reino Unido, relatou os resultados de um projeto de um ano que teve como objetivo testar rigorosamente amostras de cabelo e tecidos que os nativos da região alegam pertencer à criatura mitológica.

"Eu fiz um apelo para os pelos do Yeti, Bigfoot e Sasquatch em 2012, e recebi uma boa resposta de todo o mundo", disse Sykes à NBC News.

Bigfoot
Outro ser mitológico, o famoso Pé-grande, ou Bigfoot em inglês. Pixabay/Domínio Público.

Uma das amostras mais promissoras que Sykes recebeu incluiu cabelos atribuídos a uma múmia Yeti na região de Ladakh, no norte da Índia; os cabelos foram supostamente recolhidos por um montanhista francês que foi mostrado o cadáver há 40 anos. Outra amostra foi um único cabelo que foi encontrado há cerca de uma década no Butão, a cerca de 1.290 quilômetros de Ladakh.


Segundo Sykes, o DNA dessas duas amostras combinou com a assinatura genética de um maxilar de urso polar que foi encontrado no Ártico norueguês em 2004. Os cientistas dizem que o maxilar pode ter até 120 mil anos de idade.

SERÁ QUE ESSES AINDA CONTINUAM VIVOS?


Sykes disse que o fato de as amostras de cabelo terem sido encontradas tão distantes, e relativamente recentemente, sugere que as espécies das quais os cabelos vieram ainda podem estar vivas.

"Não posso imaginar que conseguimos obter amostras dos dois únicos 'ursos da neve' no Himalaia", disse ele à Associated Press.

Sykes especulou que a criatura poderia ser uma nova espécie de urso, ou talvez um híbrido de ursos polares e ursos marrons.

"A próxima coisa é ir até lá e encontrar uma", disse Sykes à Associated Press.

Ursus-maritimus
Um urso polar (Ursus maritimus), seria ele o famoso Abominável Homem das Neves? Pixabay/Domínio Público.

Loren Coleman, diretor do International Cryptozoology Museum, em Portland, Maine, disse que a descoberta de Sykes pode ser a "história número um em criptozoologia" (o estudo de animais ocultos ou não verificados). Coleman, também disse que acha que as descobertas de Sykes provavelmente explicam apenas uma das variedades do Yeti que foram relatadas.

"Esse é um dos problemas com a palavra 'Yeti' ", disse Coleman. "É um termo abrangente para três variedades diferentes. Há o tipo pequeno, há um tipo do tamanho de um homem, e então um maior que é conhecido como Dzu-Teh. Devo supor que o que ele está vendo são amostras de um tamanho maior. Que muitos de nós no campo têm especulado era uma forma de urso ".


Se, como sugerem as descobertas de Sykes, o Dzu-Teh é de fato a mesma espécie de urso polar que outrora percorria no Ártico, é improvável que ele tenha uma pelagem branca, como é mostrado em representações populares do Yeti, dos primeiros ursos polares para se ramificar de ursos marrons. Isso, disse Coleman, na verdade fortalece o argumento de Sykes de que o Yeti maior é uma antiga espécie de urso polar.

"É um dos mitos do Abominável Homem-das-Neves e Yeti que eles são brancos", disse Coleman.

"Os nativos na verdade os descrevem como marrons e marrom-avermelhados".

UMA HIPÓTESE CONCEBÍVEL


Brian Regal, historiador da ciência na Universidade de Kean, em Nova Jersey, disse que a possibilidade de uma espécie de urso não identificada vivendo no Himalaia é "excitante", mas disse que será difícil conectar definitivamente os pelos ao Yeti da lenda.


"Esta é outra decepção para a comunidade de criptozoologia", disse Regal. "Só porque [Sykes] mostrou que esta amostra de DNA em particular é de um urso não significa necessariamente que é o que as pessoas têm visto. Eles podem ter visto ursos; eles podem ter visto outra coisa."

Ursus-arctos
O urso-marrom (Ursus arctos), será que ele poderia ser o famoso Pé-grande. Pixabay/Domínio Público.

O biólogo Robert Rockwell, que estudou ursos polares, disse acreditar que é possível que uma espécie de urso tenha conseguido sobreviver no Himalaia sem ser notada.

"É possível, como os ursos negros asiáticos, os ursos marrons e até mesmo os ursos-do-sol - ou alguma estranha combinação - poderia ou poderiam ter estado historicamente naquela região. Como eles são ursos, eles também dividiriam Sequências de DNA encontradas no fóssil citado", disse Rockwell, do Museu Americano de História Natural, em Nova York.



"Poderia algo assim estar nessa área e não ser visto claramente ou capturado ou coletado? É uma área enorme, grande parte da qual não é densamente povoada, e exceto por indivíduos cada vez mais habituados, a maioria dos ursos é bastante tímida e evasiva a presença humana. E se não há muitos deles, é ainda mais concebível a hipótese de ser um urso".

REVISÕES PRECISAM SER FEITAS


Mas Rockwell disse que precisará ver os resultados de Sykes publicados em um periódico científico revisado por pares antes de se convencer de que as amostras de cabelo realmente vieram de ursos.

"A alegação é baseada em uma amostra muito pequena, e o DNA é provavelmente degradado até certo ponto. Até que os dados da sequenciamento tenham sido publicados, eu ficarei bastante cético", disse Rockwell.


"Tantas criaturas compartilham de seu DNA, tanto que obter 'correspondências' pode ser um artefato de amostragem e certamente dependerá precisamente de qual região do DNA está sendo usada."

Ursus-americanus
O urso-negro (Ursus americanus), também há uma hipótese de o Yeti ser esta espécie. Pixabay/Domínio Público

A bióloga molecular Charlotte Lindqvist expressou um sentimento similar. "Eu gostaria de ver os dados publicados e examinados", disse Lindqvist, que é da Universidade Estadual de Nova York em Buffalo. Ela fazia parte da equipe que extraiu o DNA da queixada do urso polar que Sykes usou em suas comparações genéticas.

"Antes disso, faz pouco sentido sugerir qualquer ligação entre o urso polar de 120 mil anos e um urso (ou Yeti) nos Himalaias", disse Lindqvist.



Sykes diz que pretende publicar suas descobertas. "O projeto ainda está em andamento", disse ele à NBC News, "e a ideia é publicar esses resultados em uma revista científica para trazê-lo de volta ao campo da ciência."

Referência
National Geographic

E para finalizar veja um vídeo do canal A bordo do Argo, sobre A lenda de Yeti:


E NÃO DEIXE DE SEGUIR NOSSAS COLEÇÕES NO GOOGLE+:

 https://plus.google.com/collection/8ZnoQB https://plus.google.com/collection/YU0mQB https://plus.google.com/collection/YLgT0

2 comentários:

  1. Legal essa correlação, desde que você descarte que esses homens gigantes se repetem em diversas culturas de uma forma arquétipica.

    - Yeti (no himalaia)
    - Sasquatch (na américa do norte)
    - Manpiquaripi (no Brasil)
    - Orang Pendek (Indonésia)
    - Yowie (australia)

    Escolha uma cultura que ele estará, não creio que tenha urso em todos os lugares citados.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Tiago Malta,

      Sua hipótese é bastante válida. Mas no caso da postagem, os cientistas focaram mais no Yeti do Himalaia.

      Mas os seus outros exemplos como o Sasquatch (na America do norte), sim existem ursos na América do norte. No Brasil, mas especificamente na América do Sul, temos o urso-de-óculos (Tremarctos ornatus). Na Indonésia, temos o Urso-negro-asiático (Ursus thibetanus). Resumindo existem em todos os continentes, exceto na Austrália e Antártida.

      Então seria somente o Yowie da Austrália que você citou que sai do padrão. Mas não podemos descartar a hipótese de ser um urso ou uma espécie compatível.

      Agradecemos muito pelo seu comentário. Um grande abraço.

      Equipe BioOrbis.

      Excluir