Será que existem peixes no deserto?

Peixes no deserto? Parece brincadeira, mas é verdade. Venha conhecer alguns desses animais e como eles conseguem sobreviver nessas regiões inóspitas.

https://www.bioorbis.org/2019/05/sera-existem-peixes-deserto.html
Dois peixes da espécie Salt Creek Pupfish (Subspecies Cyprinodon salinus salinus). Fonte da imagem: iNaturalist

VAMOS DESCOBRIR...

✅ Canal no Youtube | Inscreva-se AGORA ✅
https://www.youtube.com/channel/UCdjF1j_jYXGznBq955YWDoQ?sub_confirmation=1

No deserto, os habitats aquáticos permanentes podem ter populações de peixes, mas relativamente poucas espécies são capazes de tolerar as altas temperaturas e altas salinidades que caracterizam muitos desses corpos de água. "Pupfish" (Cyprinodontidae), "min-nows" (Cyprinidae) e ciclídeos (Cichlidae) são os grupos encontrados com maior frequência nos desertos. Os lagos e mananciais do deserto raramente possuem mais do que cinco espécies de peixes, sendo que muitos habitats são ocupados por apenas uma espécie.

Leia também:

O desafio de viver no deserto para os peixes


Os problemas que os peixes do deserto enfrentam dependem do habitat no qual eles ocorrem. Nascentes, como aquelas de Ash Meadows no Vale da Morte podem ser relativamente grandes ou muito pequenas.

Big Spring tem 15 metros de diâmetro e 9 metros de profundidade, enquanto o Mexican Spring possui menos do que 2 metros de diâmetro e apenas de 2 a 5 centímetros de profundidade. A água numa nascente geralmente possui a mesma temperatura e salinidade ao longo do ano, mas algumas nascentes alcançam 30°C ou mais e outras ficam perto de 20°C.

Figura 2. O peixe "pupfishes" do deserto (Cyprinodon macularius). Fonte da imagem: Wikipedia

Lagoas e lagos frequentemente apresentam maior variação sazonal na temperatura e na salinidade.  Alguns desses corpos de água são remanescentes de enormes lagos que preencheram os vales do deserto durante o Pleistoceno. O Lago Pyramid, em Nevada, por exemplo, é um remanescente do Lago Lahonton, que, certa época, cobriu mais do que 20.000 km² na Califórnia e em Nevada. As antigas margens do Lago Lahonton estão marcadas por três terraços que estão agora 34, 100 e 163 metros acima do nível atual do lago. Outros remanescentes do Lago Lahonton incluem o Lago Honey, na Califórnia, e o Lago Walker e as Bacias de Carson e Humboldt, em Nevada. Terraços de lagos similares do Pleistoceno, podem ser encontrados no Deserto do Saara e nos desertos do Oriente Médio. 

À medida que os lagos do Pleistoceno contraíram-se, populações de peixes outrora muito difundidas foram isoladas nos corpos de água remanescentes (o Salton Sea da Califórnia tem uma origem diferente dos outros lagos do Sudoeste. Ele situa-se na bacia do Lago LaConte, do Pleistoceno, mas o Salton Sea foi formado em 1905, quando o Rio Colorado irrompeu através das margens de um sistema de irrigação, formando um lago com 25 metros de profundidade e mais de 1.300 km² de área.

Leia também:

As espécies de peixes do deserto


Altas temperaturas, salinidade e variação na concentração de oxigênio fazem dos lagos do deserto, ambientes difíceis para os peixes. "Pupfish" (espécies de Cyprinodon) estão espalhados por esses lagos e enfrentam bem, tanto o calor como a salinidade.

No Manancial de Quitobaquito, no Organ Pipe National Monument, por exemplo, "pupfishes" do deserto (Cyprinodon macularius) são encontrados em águas rasas a temperaturas de 40 a 41°C (que estão apenas 2 ou 3°C abaixo da temperatura letal para o peixe) e não em águas de 30°C, encontradas a poucos metros de distância. Outras espécies de Cyprinodon foram encontradas habitando voluntariamente águas com temperaturas de 43 a 44°C.

Leia também:


Como esses peixes conseguem sobreviver a esses ambientes extremos?


Os lagos do deserto são frequentemente caracterizados por altas salinidades bem como por altas temperaturas. Os jovens de Cyprinodon são capazes de suportar concentrações de sal de pelo menos até 90 gramas de sal dissolvido por litro de água, o que corresponde a aproximadamente três vezes a concentração da água do mar. Espécimes novos e grandes adultos de "pupfísh" são ligeiramente menos tolerantes à salinidade do que os jovens e os ovos não se desenvolverão em salinidades superiores à 70 gramas por litro. Uma variedade de salinidades frequentemente está disponível para os "pupfishes" porque a densidade da água aumenta à medida que a salinidade aumenta e volumes de água com diferentes salinidades tendem a não se misturar. Sendo assim, um peixe é capaz de selecionar, dentro de um habitat, áreas de diferentes salinidades, da mesma maneira que consegue selecionar áreas com diferentes temperaturas.

Figura 3. O peixe "Devil's Hole pupfishes" (Cyprinodon salinus). Fonte da imagem: Nonindigenous Aquatic Species - USGS

Ribeirões são um terceiro habitat para os peixes do deserto. O fluxo de água dos ribeirões varia durante o ano e, nas estações secas, a superfície da água nos ribeirões intermitentes encontra-se reduzida a poças isoladas separadas do leito do ribeirão por áreas secas. Na estação chuvosa, no entanto, o ribeirão pode fluir continuamente, chegando a inundar. As populações de peixes nos ribeirões dos desertos aumentam e diminuem de forma típica em resposta às mudanças no fluxo de água.

Salt Creek, no Vale da Morte, é habitado por "Devil's Hole pupfishes" (Cyprinodon salinus). A população aumenta cem vezes à medida que a água das chuvas de inverno, no Deserto de Mohave, escoam no ribeirão durante o inverno e a primavera, então, no verão e no outono, quando o ribeirão seca, a população cai acentuadamente.


Alguns peixes do deserto, como os "pupfishes" e o "longfin dace" (Agosia chrysogaster), avançam muito pelos habitats aquáticos temporários durante períodos de fortes chuvas e boa vazão. Quando os ribeirões do deserto estão perto de secar, a evaporação pode consumir todo o fluxo de água durante o dia, deixando apenas o leito úmido.

Figura 4. O peixe "longfin dace" (Agosia chrysogaster). Fonte da imagem: iNaturalist

A maioria das espécies de peixes morre nessas condições, mas o "longfin dace" sobrevive sob emaranhados de algas saturados de água. O curso de água do ribeirão continua à noite, quando a temperatura cai, e o "dace" emerge de sob as algas, nadando e alimentando-se em poucos milímetros de água. Os peixes são capazes de sobreviver nessas condições por várias semanas e, se a chuva reabastece o ribeirão, eles conseguem retomar às áreas de água permanente.

Leia também:

OS PEIXES PODEM PRODUZIR SEU PRÓPRIO PROTETOR SOLAR?


https://www.bioorbis.org/2015/05/os-peixes-podem-produzem-seus-proprios.html
Figura 5. Este pequeno peixe pode produzir seu próprio protetor solar. Fonte da imagem - Aquariofilia.


Um grupo de biólogos liderada Prof Taifo Mahmud da Oregon State University descobriu que o peixe-zebra (Danio rerio) são capazes de sintetizar uma substância química chamada gadusol que protege contra a radiação ultravioleta (UV).

"O fato de que o composto é produzido pelo peixe, bem como por outros animais, incluindo aves, torna-o uma perspectiva segura para ingerir sob a forma de comprimido", disse o prof Mahmoud.

Gadusol foi originalmente identificado no bacalhau e desde então foi descoberto nos olhos do camarão-mantis, ovos de ouriço do mar, esponjas, e nos ovos e recém-eclodidos de larvas de camarão de água salgada.

Foi previamente pensado que os peixes só podem adquirir o produto químico por meio de sua dieta ou através de uma relação simbiótica com bactérias.

Os organismos marinhos no oceano superiores e em recifes estão sujeitos à luz solar intensa e muitas vezes implacável.

Os benefícios do Gadusol contra os raios ultravioletas


Gadusol e compostos relacionados, são de grande interesse científico quanto à sua capacidade para proteger contra danos no ADN dos raios UV. Há evidências de que os anfíbios, répteis, pássaros também podem produzir gadusol, enquanto o mecanismo genético que falta em seres humanos e outros mamíferos.

Professor Mahmud e seus colegas estavam investigando compostos similares ao gadusol que são usados ​​para tratar diabetes e infecções fúngicas. Acredita-se que a enzima biossintética comum a todos eles, VEA, estava presente apenas nas bactérias.


Figura 6. Dois pequenos peixe-zebra (Danio rerio). Fonte da imagem: worldlifeexpectancy.


Eles ficaram surpresos ao descobrir que os peixes e outros vertebrados contêm genes semelhantes ao código de VEA.

Curioso sobre as suas funções em animais, que expressa o gene do peixe-zebra, em Escherichia coli e análise sugerem que os peixes VEA combinam com outra proteína, cuja produção pode ser induzida pela luz, para produzir gadusol.

Experimentos com o peixe-zebra


Para verificar que esta combinação é realmente suficiente, os cientistas transferiram os genes para levedura e pô-los a trabalhar para ver o que iria criar.

Isto confirmou a produção de gadusol. Sua produção bem sucedida em levedura fornece uma rota viável para a comercialização.


Bem como proporcionar proteção contra o UV, o gadusol pode também desempenhar um papel na resposta ao stress, no desenvolvimento embrionário, e como um antioxidante.

"No futuro, pode ser possível usar as leveduras para produzirem grandes quantidades deste composto natural para pílulas anti-solares e loções, bem como para outros cosméticos vendidos em seu supermercado ou farmácia local," disse o prof Mahmud, que é o autor sênior o artigo publicado na revista eLife.

Referências
POUGH, F. Harvery; JANIS, Christine M; HEISER, John B. A vida dos vertebrados. Atheneu Editora São Paulo, 2006.

Para finalizar veja um vídeo do nosso canal BioOrbis sobre 🐟 Entre RIOS e MARES:


Nenhum comentário:

Imagens de tema por AndrzejStajer. Tecnologia do Blogger.