Como saber a diferença entre lacraias, centopeias e piolhos-de-cobra?

 Você já se deparou alguma vez com uma lacraia ou uma centopeia não é mesmo? Mas você sabe como diferenciar elas?


Um mirápode  no chão da floresta. Foto: Cleverson Felix.


VAMOS DESCOBRIR...


✅ Canal no Youtube | Inscreva-se AGORA ✅

https://www.youtube.com/channel/UCdjF1j_jYXGznBq955YWDoQ?sub_confirmation=1


Antes de começar vamos apresentar algumas características gerais desses animais invertebrados, que são os diplópodes e os quilópodes, mas também conhecidos como miriápodes.


Leia também:

 

Quilópodes, as centopeias e lacraias

 

Os quilópodes, cujos representantes mais conhecidos são as centopeias e lacraias, têm uma cabeça pequena, onde se localiza um par de antenas e um tronco alongado, sem diferenciação entre tórax e abdome. O tronco é formado por um número de segmentos que varia entre 15 e 170, dependendo da espécie.

 

Diplópodes, os piolhos-de-cobra

 

Os diplópodes, cujos representantes mais conhecidos são os pilhos-de-cobra (embuás), vivem em ambientes úmidos, geralmente no solo de florestas, sob folhas e troncos em decomposição. Eles têm cabeça pequena, com um par de antenas, um tórax curto, formado por quatro segmentos, e um abdome longo, formado por 25 a 100 segmentos. O segundo, o terceiro e o quarto segmento torácico têm, cada um, um par de patas. Cada segmento abdominal é, na verdade, formado por dois segmentos fundidos, apresentando dois pares de patas.

 

QUAL A DIFERENÇA ENTRE CENTOPEIAS, LACRAIAS E OS PIOLHOS-DE-COBRA?

 

Se você um dia encontrar um pilho-de-cobra, como mostrado na entrada da postagem e compará-lo com uma lacraia parecida com a que está na imagem abaixo, notará algumas semelhanças e diferenças: ambos possuem um grande número de patas locomotoras, corpo alongado contendo muitos segmentos e uma cabeça com um par de olhos e um par de antenas.


Imagem de Alexa por Pixabay 
 

Diferem, no entanto, em muitos aspectos: a lacraia é achatada e tem o corpo divido em cabeça e tronco; o pilho-de-cobra é cilíndrico e apresenta corpo dividido em cabeça, tórax (contendo quatro segmentos) e abdome. No primeiro segmento do corpo da lacraia há um par de garras inoculadoras de veneno. Nos demais, excetuando-se o último, há um par de patas locomotoras por segmento. O pilho-de-cobra não possui garras inoculadoras de veneno (ele não é venenoso) e três dos segmentos torácicos apresentam um par de partas cada um. Já no abdômen, cada segmento possui dois pares de patas cada um.

 

Não pense, porém, que por ter mais patas o pilho-de-cobra é mais rápido. Observe o deslocamento de um animal desses e verifique que se se move mais lentamente que a lacraia, e esta diferença tem seus reflexos na adaptação alimentar de ambos: por ser venenosa, a lacraia atua como predadora e vai rapidamente em busca de presas, pequenos roedores e insetos; os pilhos-de-cobra são comedores de detritos vegetais, vivem com frequência em vasos de xaxim, não saem rapidamente à procura de alimento e não são caçadores.

 

Mas e as centopeias?

 

Uma curiosidade sobre o nome “miriápode” sugere uma infinidade de patas. Outra denominação comumente utilizada é centopeias. Nem sempre, porém, há tantas patas. Diferentes espécies de lacraias podem ter de 15 a 181 segmentos. Os piolhos-de-cobra podem ter de 9 a 100 segmentos.

 

Referências

AMABIS, José Mariano; MARTHO, Gilberto Rodrigues. Biologia dos Organismos, classificação, estruturas e função nos seres vivos. 1ª edição. Editora Moderna, 1998.

UZUNIAN, Armênio; BIRNER, Ernesto. Biologia 2. Editora Harbra. Prêmio Jabuti, 2002. The Festivus, 30(4):45-46,1999.

Nenhum comentário:

Imagens de tema por andynwt. Tecnologia do Blogger.