Fruta emblemática do Nordeste, Umbu está ameaçado de extinção

Uma das frutas mais emblemáticas da Caatinga nordestina, o umbu, entrou na lista de alimentos ameaçados de extinção elaborada pela fundação Slow Food.

https://www.bioorbis.org/2015/01/fruta-emblematica-do-nordeste-umbu-esta.html
O Umbu, uma fruta típica do Nordeste brasileiro. Fonte da imagem: talheres.

VAMOS DESCOBRIR...


✅ Canal no Youtube | Inscreva-se AGORA ✅

https://www.youtube.com/channel/UCdjF1j_jYXGznBq955YWDoQ


O umbuzeiro, o bela-sombra


O umbuzeiro, também conhecido como bela-sombra, é uma espécie que pode alcançar 25 m de altura e apresenta a base do caule bastante dilatada. É considerada uma erva gigante, pois apesar do tamanho, seu tronco não é lenhoso, o que é característico de plantas herbáceas. Sua madeira apresenta qualidade ruim, esponjosa e retém muita água. No inverno perde as folhas. Seus frutos, apresentados em cachos, são muito apreciados pelas aves. A base do caule bastante espessa, era utilizada como esconderijo das famílias durante as revoluções no sul do Brasil. Muitos gaúchos enterravam seus tesouros junto as raízes do umbu.

O UMBU, UMA FRUTA EM RISCO DE EXTINÇÃO


As secas prolongadas e a competição com a criação de bodes estão entre as principais causas para o possível desaparecimento da fruta nos próximos anos.

Uma reportagem da National Geographic revelou que o Umbuzeiro, árvore que gera o umbu, está sumindo cada vez mais de terras nordestinas, como na Bahia. Lá, os frutos novos servem de alimento para bodes e outros animais. Em algumas regiões, como em Uauá, cidade do norte baiano onde a produção de umbu é uma das maiores do país e a população caprina é seis vezes maior que a de gente, foi preciso botar cerca em torno dos umbuzeiros para manter distantes os animais. Sobretudo os brotos, que até esses o bode come. Por causa dele, quase que o umbu acaba na cidade.



Além da competição entre os animais para comer a fruta, a seca na Bahia, considerada a pior em dez anos, também é fator agravante. De acordo com Pedro dos Santos, agricultor, sem chuva, não só a produção cai como o umbu fica mais ácido e menos carnoso, o que compromete a qualidade do produto final. A sorte de Pedro – como a de milhares de moradores do semiárido – é que o umbuzeiro não se acanha nem na estiagem. Pode produzir menos, mas produz. “Faz cinco anos que não chove, e ainda assim dá umbu”, diz Pedro. “Pra tu ver a potência”, disse ao repórter Xavier Bartaburu.



Outro motivo que prejudica o umbuzeiro é o consumo da “batata” da árvore. Salvo as conservas, para as quais existem viveiros de produção, o consumo tradicional da batata do umbuzeiro é um costume pouco recomendável. Há algum tempo, descobriu-se que sua retirada matava de vez a árvore.

Para uma espécie que já sofria com a fome dos bodes e a falta de chuva, arrancar a raiz era como condená-la definitivamente à extinção. Também a colheita se fazia de modo pouco inteligente, golpeando-se a árvore com uma vara grande de madeira, para fazer os frutos caírem no chão. Daí que alguns galhos se rompiam, o que impedia os frutos de crescer de novo neles. Decepado ano a ano, o umbuzeiro ia produzindo cada vez menos.

O fim da seca, nesse caso, seria o impulso que falta para aumentar a vida da espécie. Por mais tenaz que seja o umbuzeiro, um pouco a mais de água já faria uma tremenda diferença. “Em janeiro choveu 100 milímetros, e a produção já melhorou 50%”, anima-se Jussemar Cordeiro da Silva, outro agricultor.


Referências 
AMABIS, José Mariano; MARTHO, Gilberto Rodrigues. Biologia dos Organismos, classificação, estruturas e função nos seres vivos. 1ª edição. Editora Moderna, 1998.
Sites: TopBiologia; National Geographic.

Nenhum comentário:

Imagens de tema por jpique. Tecnologia do Blogger.