Tatuzinho cavernícola: nova espécie de tatuzinho brasileiro encontrado em cavernas

Pesquisadores brasileiros descobriram uma nova espécie de crustáceo. Um tatuzinho, parente do que encontramos em nossos jardins.

https://www.bioorbis.org/2015/08/nova-especie-de-tatuzinho.html
A nova espécie de tatuzinho. Fonte da imagem: Ascom/UFLA.

VAMOS DESCOBRIR...

✅ Canal no Youtube | Inscreva-se AGORA ✅

 https://www.youtube.com/channel/UCdjF1j_jYXGznBq955YWDoQ?sub_confirmation=1

A nova espécie de crustáceo, apelidada como “tatuzinho cavernícola”, foi descoberta na Bahia e relatada na revista científica PLOS One. O animal, encontrado pelo professor Rodrigo Lopes Ferreira, do Departamento de Biologia da Universidade Federal de Lavras (UFLA-DBI), tem como característica peculiar construir abrigos para si.

Veja também:




NOMENCLATURA E MORFOLOGIA DA NOVA ESPÉCIE DE TATUZINHO


Nomeado cientificamente como ‘Iuiuniscus iuiunensis‘, o crustáceo mede pouco mais de um centímetro quando adulto e pertence a uma subfamília e gênero novos. Segundo informações da assessoria de comunicação da UFLA, a descrição morfológica do animal foi feita com o apoio dos pesquisadores Leila Souza, da Universidade Estadual do Ceará (UECE) e André Senna, da Universidade Federal da Bahia (UFBA).

Figura 2. Nova espécie em sua troca do exoesqueleto, dentro de abrigo construído. Fonte da imagem: Ascom/UFLA.

Membro da ordem Isopoda, o “tatuzinho” foi encontrado pela primeira vez em 2007, em uma caverna localizada em Iuiu, sudoeste da Bahia, contudo, a descrição da espécie só começou há cerca de dois anos. “Já temos outros animais encontrados lá sendo descritos. Não começamos o trabalho de descrição assim que descobrimos, esse intervalo de tempo é comum”, explicou Ferreira.




CARACTERÍSTICA INCOMUM DO TATUZINHO CAVERNÍCOLA


Ainda segundo Ferreira, o que chamou a atenção na espécie foi a característica incomum de construir abrigos, o que era considerado um comportamento único em animais da subordem 
Oniscidea, a qual pertencem apenas os isópodes terrestres. A nova espécie, porém, é encontrada tanto em solo quanto em lagoas dentro de cavernas.

A conclusão inicial dos pesquisadores envolvidos na descoberta é que o animal constrói abrigos para se proteger contra predadores durante a troca do exoesqueleto (veja na Figura 2).

Referências
EDITORE, Alberto Peruzzo. Autênticos insetos de coleção. Insetos, aracnídeos e outros artrópodes. A natureza de 1000 formas e cores, 2008.
Sites: Top Biologia.

Nenhum comentário:

Imagens de tema por andynwt. Tecnologia do Blogger.