O que é a neurogênese?

No final da década de 1990, sabia-se que um processo denominado “neurogênese” (produção + neurônio) adicionava ovos neurônios ao cérebro de ratos, gatos e canários.

https://www.bioorbis.org/2017/06/ganho-de-cerebro.html
Pixabay/Domínio Público.

VAMOS DESCOBRIR...

Mas e o cérebro humano? Poderiam os humanos adicionar neurônios cerebrais perdidos pela idade ou por ferimentos?


Para responder a isso seria necessária uma experimentação invasiva e, nos humanos, isso obviamente levanta limitações éticas especiais. Naquele tempo, pesquisadores de câncer estavam usando corantes especiais que eram assimilados preferencialmente por células que se dividiam rapidamente, tais como as células cancerosas, ajudando, portanto, na detecção da doença.

Fred Gage, um neurocientista, percebeu que se novas células cerebrais tivessem sido adicionadas, estavas também assimilariam o corante em pacientes com câncer crônicos. Quando pacientes eventualmente morrem, Gage examinou seu tecido cerebral doado e descobriu que, de fato, o cérebro humano estava fazendo novos neurônios, mesmo nesses pacientes que estavam doentes e tendiam a ser idosos.

Considerando os estudos com animais, trabalhos subsequentes demonstraram que exercícios, ferimentos, batidas, estrogênio e alto status social estimulam a neurogênese, mas esta é inibida com envelhecimento, estresse, perda de sono, ambientes enfadonhos e cair no sono durante a palestra (esse último é brincadeira).

Mais promissor é que esses novos neurônios vêm a partir de células-tronco latentes guardadas em diferentes regiões do cérebro, prontas para serem ativadas. Uma região é próxima ao hipocampo, o qual tem um papel-chave na memória.  Novos neurônios parecem ser especialmente adaptáveis para forjar novas conexões, talvez a base anatômica para o estabelecimento de novos estoques de informações.

Referência 
Kardong. Vertebrados, Anatomia Comparada, Função e Evolução. 2011.

Nenhum comentário:

Imagens de tema por andynwt. Tecnologia do Blogger.