Conheçam o interessante cágado-da-serra

Venha descobrir um pouco mais sobre essa incrível espécie de réptil, o cágado-da-serra.

 https://www.bioorbis.org/2019/06/descubra-interessante-cagado-da-serra.html
O pequeno e interessante cágado-da-serra. Fonte da imagem: www.biofaces.com. Foto por: Leonardo Merçon / Instituto Últimos Refúgios.

VAMOS DESCOBRIR...

Classificação científica e distribuição geográfica


O cágado-da-serra, conhecido pelo nome cientifico de Hydromedusa maximiliani, é uma das espécies de quelônios dulcícolas menos conhecidas da América do Sul.

Essa espécie de quelônio pertence à família Chelidae, da ordem Chelonia (Testudines). Eles são endêmicos do sudeste do Brasil, tornando assim uma espécie bastante rara e importantes para a conservação.

Também é uma das menores tartarugas de água doce do Brasil, atingindo um comprimento máximo de carapaça de 20 cm.

Leia também:

Morfologia do cágado-da-serra


Essa espécie apresenta grande dimorfismo sexual, os machos são maiores que as fêmeas (GUIX et al. 1992). É uma espécie pequena que atinge um comprimento de carapaça de 10 a 20 cm com um peso de 120 a 520 g. A carapaça do adulto tem forma oval, variando de cor, de cinza escuro a marrom escuro ou claro.

Figura 2. Cágado-da-serra (Hydromedusa maximiliani). Fonte da imagem: www.biofaces.com. Foto por: Leonardo Merçon / Instituto Últimos Refúgios.

O plastrão é da cor amarela ou creme. O cágado-da-serra tem uma cabeça de tamanho moderado, com um focinho pequeno e mandíbulas amareladas, sem barbelas no queixo, a íris é preta.

A superfície dorsal da cabeça, pescoço e membros são de cor verde-oliva a cinza, com uma superfície ventral de cor creme mais clara.

Leia também:



Habitat dos cágados-da-serra


Eles habitam as águas correntes das erras ao longo da Mata Atlântica, do Espírito Santo ao sul de São Paulo (Yamashita, 1990). Pode ser encontrado nas partes mais altas, em altitudes superiores a 800m, e na base das serras.

Figura 3. O pequeno cágado-da-serra em seu habitat. Fonte da imagem: www.biofaces.com. Foto por: Leonardo Merçon / Instituto Últimos Refúgios.

Sua ocorrência depende da presença de águas límpidas, bem oxigenadas, e de vegetação ciliar bem preservada. Exemplares da espécie já foram encontrados tanto em riachos estreitos e rasos, de fundo argiloso, como em rios largos e profundos de, águas translúcidas e relativamente frias (temperaturas entre 14 e 20ºC), com fundo de areia, pedras e folhas caídas da vegetação das margens (Guix et al. 1992).

Leia também:



Comportamento e ecologia do cágado-da-serra


O cágado-da-serra, quando adulto, parece preferir locais de remanso, nada pouco e permanece grande parte do temo no fundo.

Esse comportamento faz com que sua carapaça se apresente frequentemente coberta por uma espeça camada de lodo (Figura 4), camuflando-o e protegendo-o de possíveis predadores.

Alimentação dos cágados-da-serra


Interessantes observações sobre a dieta natural dos cágado-da-serra indicam que eles comem itens alimentares como insetos, girinos, lagartos e fragmentos de frutos e folhas.

Figura 4. O cágado-da-serra (Hydromedusa maximiliani) coberto por musco em sua carapaça. Fonte da imagem: www.biofaces.com. Foto por: Leonardo Merçon / Instituto Últimos Refúgios.

Sua biologia reprodutiva é praticamente desconhecida.



Principais ameaças ao cágado-da-serra


A destruição das matas ciliares, às quais está associada, e a poluição dos rios são uma grande ameaça aos pequenos e vulneráveis cágados-da-serra. Além disso, há indicações de que as populações existentes são bastante isoladas, o que as torna mais vulneráveis ainda.

ESTRATÉGIAS DE CONSERVAÇÃO PARA O CÁGADO-DA-SERRA


Para se proteger Hydromedusa maximiliani, o cágado-da-serra, é importante a realização de pesquisas que permitam uma real delimitação de usa área de distribuição e um conhecimento mais apurado de seus parâmetros bioecológicos e populacionais.

É também importante adotar medidas de proteção aos ambientes onde os pequenos cágados-da-serra vivem.

Leia também:

Referências
GUIX, C.J; MIRANDA, J.R.; NUNES, V.S. 1992. Observaciones sobre la Ecologia de Hydromedusa maximiliani. Bol. Asoc. Herpetol. Esp. 3.
Yamashita, C. 1990. Hydromedusa maximiliani. Ecology. Herp. Review. 21(1):19.

Nenhum comentário:

Imagens de tema por A330Pilot. Tecnologia do Blogger.