O que é a dispersão de sementes e quem são os dispersores de sementes?

Você já deve ter ouvido falar alguma vez por ai sobre animais que são dispersores de sementes não é mesmo? Se não, vamos descobrir um pouco sobre.

 

Uma pequena cutia, uma excelente dispersora de sementes. Foto: Cleverson Felix.


VAMOS DESCOBRIR...


✅ Canal no Youtube | Inscreva-se AGORA ✅

https://www.youtube.com/channel/UCdjF1j_jYXGznBq955YWDoQ?sub_confirmation=1


O QUE É A DISPERSÃO E SEMENTES?

 

A polpa de frutos e frutas (veja a diferença entre frutos e frutas AQUI) é uma das fontes primárias de energia para muitas espécies de aves, mamíferos, lagartos e até mesmo peixes. Esses animais podem defecar, cuspir, regurgitar ou, simplesmente derrubar frutos longe da planta mãe, aumentando assim as chances de sobrevivência da planta. Sendo assim, a frugivoria (animais que comem frutas e frutos) e a dispersão de sementes são processos essenciais para as plantas e também os animais.

 

Vejamos do ponto de vista dos animais, para eles os frutos representam uma importante fonte energética por serem facilmente encontrados, capturados e processados. Consequentemente, um grande número de vertebrados depende de frutos para suas necessidades do dia a dia. Estimativas sobre a biomassa de vertebrados frugívoros podem alcançar até 80% da comunidade em florestas tropicais. Além disso, a abundância dos frutos também pode influenciar o sucesso na reprodução de alguns animais frugívoros. A carência de frutos de alguns grupos desses animais é tão grande que alguns estudos já documentaram o efeito da baixa oferta de frutos devido a fatores estocásticos (El Niño) na mortalidade desses animais.

 

É um fato que animais que comem frutos saem por ai no ambiente “seguindo” uma determinada distribuição espacial e temporal de frutos. É também reconhecida a variação temporal na oferta de frutos em florestas tropicais, mesmo sob climas pouco sazonais, representando variações na oferta de recursos para animais frugívoros ao longo do tempo. Esses animais são geralmente mais abundantes em habitats e micro-habitats com alta produtividade de frutos.

 

Agora vejamos do ponto de vista das plantas, esse processo de dispersão representa a ligação entre a última fase reprodutiva da planta com a primeira fase de recrutamento da população. Sem a dispersão das sementes, seus descendentes estão geralmente fadados à extinção e a regeneração em novos locais torna-se praticamente impossível. Em alguns poucos casos, espécies de plantas que perderam seus dispersores (como cutias mostrado no vídeo no início da postagem, macacos, elefantes) estão ameaçados de extinção local.


Leia também:

 

Tipos de dispersão de sementes

 

De acordo com o animal que realiza o transporte do fruto ou semente, podemos classificar o modo de dispersão das sementes em:

 

-Mirmecocoria é o nome dado à dispersão feita por formigas;

-Ictiocoria é a dispersão realizada por peixes;

-Saurocoria é aquela realizada por répteis;

-Ornitocoria é o nome dado à dispersão efetuada pelos pássaros;

-Mamaliocoria é a dispersão feita por mamíferos;

-Quiropterocoria é a dispersão por morcegos.

 

Não é somente por servirem de alimento que os frutos são dispersos por espécies de animais. Algumas plantas apresentam frutos e sementes com adaptações que permitem que eles prendam-se ao pelo de alguns mamíferos, conhecida como epizoocoria. Entre as estruturas encontradas, podemos destacar os ganchos, farpas, espinhos e cascas adesivas. Quem nunca ficou com um pequeno carrapicho preso em sua roupa em uma caminhada na natureza?

 

Outra forma de dispersão é através do vento, chamada de anemocoria. Muitos frutos e sementes são tão leves que conseguem ser levados suavemente pelo ar. Alguns não são tão leves, mas possuem estruturas, como alas, que permitem que eles sejam soprados de um local para o outro, como exemplo a planta dente-de-leão, quem nunca pegou uma e soprou e ficou vendo até onde aquelas pequenas sementes iam?

 

A água também é considerada um agente dispersor, chamada de hidrocoria. Alguns frutos e sementes são capazes de flutuar, permitindo, assim, que sejam levados a longas distâncias. O principal exemplo de planta que tem seu fruto levado pela água é o coqueiro, sendo que muitas ilhas recém-formadas recebem o coco através das correntes marítimas.

 

Existem, ainda, aqueles frutos que liberam suas sementes de forma explosiva, chamada de autocoria. Como exemplo desse tipo de dispersão, podemos citar o fruto da mamona, que libera suas sementes a longas distâncias após a abertura de seu fruto.


Leia também:

 

Referências

Laury Cullen Jr.; Rudy Rudran; Cláudio Valladares-Padua. Métodos de Estudos em Biologia da Conservação & Manejo da Vida Silvestre. Editora UFPR.

Sites: http://www.biologianet.com

Nenhum comentário:

Imagens de tema por clintspencer. Tecnologia do Blogger.