Como são feitos os ninhos das vespas-do-papel?

Bom, acho que todo mundo já viu um ninho de vespa. E claro ele parece de papel não é mesmo? Mas você sabe como ele é criado?

 

Image by wpoeschl from Pixabay


VAMOS DESCOBRIR...

✅ Canal no Youtube | Inscreva-se AGORA ✅

https://www.youtube.com/channel/UCdjF1j_jYXGznBq955YWDoQ?sub_confirmation=1


Primeiro vamos contar como é uma vida em sociedade das vespas.

 

A VIDA EM SOCIEDADE DAS VESPAS

 

As vespas são insetos sociáveis da ordem Hymenoptera. Sua sociedade compreende fêmeas férteis, chamadas por nós de “rainhas”, fêmeas estéreis, chamadas “obreiras” ou “operárias”, e os machos só estão presentes no período reprodutivo. O número de componentes de um ninho desses insetos pode variar desde dezenas (como o caso da vespa comum europeia) até além dos 100.000 indivíduos em certas espécies tropicais.

 

Mesmo que o nível de sociedade das vespas parece complexo e fascinante, entre os himenópteros este é menos evoluído do que o alcançado pelas abelhas e as formigas. Nas vespas, a sociedade é anual e finaliza no inverno. O ciclo de desenvolvimento da sociedade é o seguinte: a rainha nasce depois da hibernação, na primavera, e procura um lugar idôneo para fundar a nova colônia, sendo por isso, às vezes chamada de “fundadora”. Começa a construir o ninho e bota os primeiros ovos que se desenvolvem originando as obreiras estéreis. A partir do momento que as obreiras nascem, começam a ocupar-se da limpeza e do crescimento do ninho, além de cuidar da rainha que, agora, se dedica apenas à produção de ovos. No final do verão, a rainha bota ovos de onde nascerão novas rainhas e os machos, que deixam o ninho para copular. Pouco a pouco os machos e os indivíduos da velha colônia vão ao encontro da morte, enquanto as novas rainhas fecundadas entram em hibernação para fundar uma nova colônia na próxima primavera.

 

Mas na natureza sempre há exceções e em algumas espécies de vespas não seguem esse padrão que apresentamos. Algumas tem comportamento social parasita (leia também sobre a vespa-esmeralda que parasita as baratas). Neste caso as obreiras submetidas alimentam e cuidam das larvas do parasita. As fêmeas que nascem das larvas do parasito são sempre férteis e não participam de nenhuma atividade do ninho. Os ninhos ficam sobre os galhos, rochas, cavidade de troncos ou sob a terra e são divididos em celas hexagonais com abertura inferior. O ninho é construído de cima para baixo partindo de um robusto pedúnculo.


Leia também:

 

AS VESPAS-DO-PAPEL E SEUS NINHOS

 

Agora vamos apresentar as vespas-do-papel, que são do gênero Polistes, estão entre as mais comuns que podem ser observadas em nossos campos e em áreas urbanas. As polistes são vespas sociais com uma ou mais fêmeas dominantes chamadas também fundadoras, porque a cada primavera fundam um novo ninho.

     

    Como são feitos o ninhos de papel?

     

    Seu nome comum, vespa-do-papel, deve-se a sua capacidade para construir ninhos de um material similar ao papel. As fêmeas constroem as primeiras células de “papel” à base de madeira mastigada e triturada com seiva, dando assim a impressão do ninho ser todo de papel.

     

    Esses ninhos são do “tipo aberto”, ou seja, sem proteção e com as células hexagonais bem visíveis dede o exterior. São normalmente fixados por um pêndulo na vegetação de arbustos, mas também em pedras, rochas, casas e varandas, que com certeza você já deve ter visto. As colônias são pequenas, raramente compostas por uma centena de indivíduos. O ciclo da estação inicia-se na primavera quando uma ou mais fêmeas fundam uma nova colônia.


    Leia também:

     

    A sociedade hierárquica das vespas-do-papel

     

    Existindo várias fêmeas associadas, instaura-se imediatamente uma hierarquia de domínio regulada por comportamentos específicos e determinada pela agressividade no êxito das lutas e pelas dimensões dos indivíduos. Depois de estabelecida a hierarquia, apenas a fêmea dominante pode pôr ovos. As outras, subordinadas, iniciam seu trabalho de obreiras: recolhendo alimento, água e material para a construção do ninho, além de o defenderem com ímpeto.


    Figura 2. Uma rainha fundadora construindo seu ninho de "papel" para formar sua nova colônia. Image by notre-planete from Pixabay


    A partir dos ovos colocados nas células nascem as larvas que se transformarão em ninfas (sempre permanecendo nas células) e pupas, transformando-se finalmente em obreiras. As obreiras, mesmo não sendo estéreis fisiologicamente, não reproduzem, por causa da supremacia exercida pela fêmea dominante, a fundadora. No final do verão nasce um certo número de machos e de fêmeas férteis, que representam as futuras fundadoras e que deverão superar o inverno depois do acasalamento. Todas as demais, rainhas e obreiras acabam sua vida com a chegada do outono e do inverno. As novas fundadoras hibernam em lugares resguardados para poder fundar novos ninhos durante a primavera seguinte.

     

    Inimigos das vespas-do-papel

     

    As vespas-do-papel possuem um temível inimigo, bem parecido a elas, as vespas parasitas do subgênero Sulcopolistes. No verão, as fêmeas dessas vespas entram nos ninhos em construção das vespas-do-papel e subjugam a fêmea dominante, que deixa de pôr ovos, e sem conjunto com as obreiras começam a criar e atender aos ovos e as larvas da nova “rainha” Sulcopolistes.


    Leia também:

     

    Referência

    EDITORE, Alberto Peruzzo. Autênticos insetos de coleção. Insetos, aracnídeos e outros artrópodes. A natureza de 1000 formas e cores, 2008.

    Nenhum comentário:

    Imagens de tema por andynwt. Tecnologia do Blogger.