A rápida regeneração natural por plantas nativas da canga em áreas recém-mineradas

Um assunto de grande importância é a rápida regeneração natural de plantas nativas da canga em áreas de mineração. Este artigo que vamos apresentar é pouco difundida fora do meio acadêmico.

Uma espécie de Dioclea apurensis em um terreno recém-minerado. Foto: Marcelo Ferreira de Vasconcelos.


VAMOS DESCOBRIR...


✅ Canal no Youtube | Inscreva-se AGORA ✅

https://www.youtube.com/channel/UCdjF1j_jYXGznBq955YWDoQ?sub_confirmation=1


Como falamos em outras postagens, esse novo formato apresentamos um pouco do artigo científico e no final terá o PDF se você tiver interesse de baixar e aprofundar mais nesse conhecimento.


Este artigo foi feito pelo nosso grande amigo e mestre Marcelo Ferreira Vasconcelos. Que em como um tema super importante que é a rápida regeneração natural por plantas nativas da canga em áreas recém-mineradas na Serra Sul, Canaã dos Carajás, Pará, Brasil.


Leia também:


A Serra dos Carajás e a Canga


A Serra dos Carajás é um conjunto de platôs localizados no sudeste do Pará. Em suas partes mais elevadas há a ocorrência de uma carapaça laterítica ferruginosa, denominada “canga”, sobre a qual se desenvolve uma vegetação singular no domínio amazônico. Este tipo de vegetação aberta está distribuído como um “arquipélago” em meio a um “mar” de selvas, abrigando várias espécies vegetais de ocorrência restrita, incluindo espécies novas e recentemente descobertas.


Espécie de planta Sobralia liliastrum, em um terreno recém-minerado. Foto: Marcelo Ferreira de Vasconcelos.


Com base nisso, o projeto “Flora das cangas da Serra dos Carajás”, publicado em quatro volumes da revista Rodriguésia, entre os anos de 2016 e 2018, caracterizou 1.042 espécies de plantas vasculares, das quais 38 são endêmicas, incluindo três gêneros monotípicos (um táxon monotípico é um grupo taxonômico com apenas um tipo).


Por se constituírem de substrato ferruginoso (ou seja ferro), as cangas de Carajás sofrem forte pressão das atividades de mineração, sendo assim a flora está ameaçada.  Diante da expansão das atividades minerárias na região, que não tem como travar, então houve uma grande necessidade de se priorizar tentativas de recuperação de áreas que foram e serão mineradas, incluindo a seleção de espécies vegetais de alto potencial para este fim.  Esses trabalhos foram baseados em diversos atributos das espécies, a exemplo de persistência em áreas sob processo de recuperação, facilidade de propagação, importância nas comunidades nativas de canga e potencial atrativo para elementos da fauna.


As espécies de plantas capazes de atuar na recuperação passiva, isto é, na regeneração natural de áreas mineradas, ainda são muito pouco conhecidas na região de Carajás. Então no artigo são apresentados registros de plantas da canga observadas se regenerando espontaneamente em áreas recém-mineradas na Serra Sul.


Então para você ver na integra o artigo da Rápida regeneração natural por plantas nativas da canga em áreas recém-mineradas na Serra Sul, Canaã dos Carajás, Pará, Brasil, acesse o PDF no link abaixo:

https://plantnowjournal.files.wordpress.com/2020/09/pn_v1n2_vasconcelos_regenaration.pdf

Nenhum comentário:

Imagens de tema por AndrzejStajer. Tecnologia do Blogger.