Vocês conhecem o rato-canguru? Um dos roedores mais resistentes do mundo!

Um pequeno animal com menos de 10 centímetros ficou conhecido por uma capacidade inusitada: ele pode viver sem beber água.


O rato-canguru (Antechinomys laniger). Fonte da imagem: Wikipedia/Mark Marathon/This file is licensed under the Creative Commons Attribution-Share Alike 3.0 Unported license.


VAMOS DESCOBRIR...


✅ Canal no Youtube | Inscreva-se AGORA ✅ 

https://www.youtube.com/channel/UCdjF1j_jYXGznBq955YWDoQ

OS PEQUENOS ROEDORES RESISTENTES DO DESERTO


Os ratos-canguru estão entre os roedores mais especializados em desertos. Na América do Norte, o rato-canguru de Merriam (Dipodomys merriami) ocorre em habitats desérticos desde o México central até o norte de Nevada. Uma população dessa espécie vive em condições extremamente severas no deserto de Sonora, sudoeste do Arizona.

Durante o verão, as temperaturas diurnas na superfície do solo chegam perto dos 70 ºC, e mesmo apenas alguns minutos de exposição podem ser fatais. Os ratos-canguru passam o dia em tocas de 1 a 1,5 metros embaixo da terra, onde as temperaturas do ar não ultrapassam 35 ºC mesmo durante os períodos mais quentes do ano. Ao entardecer, quando os ratos-canguru saem para coletar alimentos, as temperaturas do ar já caíram para cerca de 35 ºC.

O pequeno rato-canguru é dado esse nome popular para vários gêneros e famílias de pequenos marsupiais que vivem ou viveram em regiões desérticas. Aqui vamos apresentar as família Potoroidae e Dasyuridae (primeira imagem do post, Antechinomys laniger), o rato-canguru é um marsupial nativo da Austrália que vive em regiões desérticas, um dos ecossistemas mais hostis do planeta.

AS ESPÉCIES DE RATO-CANGURU EM RISCO DE EXTINÇÃO


Possuem quatro gêneros dentro da família Potoroidae, Aepyprymnus, Bettongia e Potorous (pela IUCN, as espécies Potorous gilbertii e Potorous longipes, ameaçados de extinção, sendo um deles já extinto, o Caloprymnus.

O rato-canguru-do-deserto (Caloprymnus campestris), veja na imagem abaixo, do gênero Caloprymnus, habitava originalmente áreas desérticas da Austrália. Seu porte era pequeno, do tamanho de um coelho, possuía hábitos de forrageamento noturnos. Foi visto pela última vez em 1935.

Rato-canguru-do-deserto (Caloprymnus campestris). Fonte da imagem: Wikipedia/John Gould  (1804–1881)/This work is in the public domain in its country of origin and other countries and areas where the copyright term is the author's life plus 100 years or fewer.


PEQUENOS MAS RESISTENTES


O animal que nunca bebe água se alimenta de grãos e folhas secas. A explicação para ele conseguir viver sem um elemento essencial para a maioria dos organismos vivos está justamente na sua alimentação.

Mesmo que mínima, a quantidade de líquido presente nos grãos secos que o rato come é o suficiente para sustentá-lo.
Além disso, sua transpiração é nula e seus rins produzem uma urina muito concentrada e seca, assim como as suas fezes. Esses animais ainda costumam tomar “banho de areia”, para evitar que sua pele se torne oleosa.

Leia também:

SOLITÁRIOS NO DESERTO


São animais solitários e costumam se aproximar de uma fêmea apenas no período de acasalamento. Entre outras características marcantes, estão suas pernas longas, que o permite se descolar melhor e mais rapidamente na areia do deserto.

Leia também:

Referências 
TopBiologia; artmight.com.
POUGH, F. Harvery; JANIS, Christine M; HEISER, John B. A vida dos vertebrados. Atheneu Editora São Paulo, 2006.

Nenhum comentário:

Imagens de tema por andynwt. Tecnologia do Blogger.