A descoberta do raro tubarão pré-histórico

Imagine você em uma bela manhã de sol, resolve sair para pescar em alto mar. Mas nessa pescaria você pesca um tubarão, mas não um incrível tubarão branco, mas sim um fóssil vivo de uma rara espécie de tubarão considerada extinta.


https://www.bioorbis.org/2015/02/raro-tubarao-pre-historico.html
O tubarão-cobra, as espécies capturadas por um pescador vitoriana, é parte de uma linhagem que remonta 95 milhões anos. Crédito da imagem: Kelvin Aitken / Temas Marinhas.

VAMOS DESCOBRIR...

A REDESCOBERTA DO TUBARÃO-COBRA PRÉ-HISTÓRICO


Uma espécie rara e pré-histórica de tubarão foi capturado por um pescador na costa Gippsland, no sudeste da Austrália. A informação foi confirmada por meios de comunicação locais e oceanários do país. Considerada um fóssil vivo.

O tubarão-cobra (Chlamydoselachus anguineus) foi um achado de choque para o pescador David Guillot, que pesca há mais de 30 anos e nunca tinha encontrado antes esta espécie. Veja na Figura 2 o espécime achado por esse pescador.
O achado movimentou o meio científico que pesquisa estes animais principalmente pela dificuldade de se encontrar tubarões desta espécie. O animal, que existe há mais de 80 milhões de anos, tem o corpo parecido com o de uma enguia, além do aspecto pré-histórico.

Ele mede cerca de 2 m de comprimento, foi pego a cerca de 1100 m, é uma ocorrência escassa nas extremidades das linhas de pesca; no entanto, é muitas vezes pego por acaso nas redes de arrasto nos meados de água ao largo da costa do Japão. 



Figura 2. Espécime encontrada pelo pescador (Chlamydoselachus anguineus). Fonte da imagem: TopBiologia.

Este tubarão tem cerca de 300 dentes distribuídos em 25 fileiras. Já foram encontrados fósseis dessa espécie com mais de 80 milhões de anos. Alguns apelidam este tubarão como fóssil vivo, por fósseis da espécie terem sido encontrados antes mesmo que representantes vivos da espécie fossem registrados.



“Realmente parece que existe há 80 milhões de anos. Tem um aspecto pré-histórico, parece ser de outro tempo”, disse Boag à emissora local “ABC”.

Os cientistas da Organização de Pesquisa Científica e Industrial da Comunidade da Austrália (CSIRO) confirmaram que se trata de um tubarão-cobra, uma espécie conhecida pela comunidade científica, mas raramente avistado por pescadores. Geralmente este animal é visto em profundezas de mais de 1,2 mil metros, embora o exemplar capturado estava a cerca de 700 metros.



O raro tubarão-cobra


Descrita pela primeira vez em 1884, o tubarão-cobra recebeu o nome de seis guelras salientes babados de cada lado de sua nuca. Uma antiga espécies de tubarões e uma das duas espécies vivas da família Chlamydoselachidae pré-histórico, sua linhagem remontam ao período Cretáceo Superior, de 95 milhões de anos atrás.

Figura 3. Um tubarão-cobra tem cerca de 300 dentes. (Crédito da imagem: Kelvin Aitken / Marinhas Themes)

O tubarão-cobra tem distintas 300 em forma de alfinete, dentes voltados para trás e consome presa inteira, com os dentes ajudando a presa "armadilha" (veja na Figura 3). David informou que depois que ele puxou o tubarão a bordo da Aliança Atlântica, ele exibiu um comportamento agressivo, coordenando seus músculos como uma enguia e girando para trás em si tentando morder a mão deck.


Ecologia e estado de conservação dos tubarões-cobra


A espécie é descrita pela IUCN como rara, com um estado de conservação de quase ameaçado. No entanto, não foram realizados estudos suficientes para registrar as estimativas populacionais precisas e descrever as potenciais ameaças das espécies.

Tubarões-cobra ocupam os ecossistemas 'bentopelágicos' (lugares com grandes profundidades nos oceanos) dos oceanos Atlântico e Pacífico, normalmente vivendo em profundidades que variam 500-1000 m abaixo da superfície do mar.




"Nós assumimos que a sua forma do corpo é adaptada ao seu nicho, mas porque há tão poucas observações das espécies na natureza, não estamos realmente certo o que esse nicho realmente é", diz Mark Meekan, biólogo peixes no Instituto Australiano de marine Science.

Existentes normalmente em águas frescas e temperadas, a espécie foi capturada em concentrações notáveis nos arredores de Nova Zelândia, Japão e Reino Unido.

Referências
KARDONG, Kenneth V. Vertebrados, Anatomia Comparada, Função e Evolução. Editora Roca LTDA, 2011. 10-3668. CDD: 596. CDU: 597/599.
Sites: TopBiologia, Australian Geographic

6 comentários:

  1. Adoramos o site.

    @tubaroes7mares

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá amigo,

      Que bom que está gostando do nosso site. Ficamos muito felizes.

      Um grande abraço.

      Equipe BioOrbis.

      Excluir
  2. Por isso, respeito a Natureza! Maior medão, também!...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. KKKK não precisa temer esse animal. Como no título ele é raro, ainda mais que vive nos oceanos.

      Excluir
  3. Interessante, parece que ele não desenvolveu novas características evolutivas (já que se trata de um pré-histórico).
    É emocionante como nossos oceanos são uma incógnita que levará ainda muito tempo pra ser decifrada

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá BlackLotus, Realmente ele é praticamente um fóssil vivo, que é isso que você disse, ele não mudou quase ou nada desde períodos remotos, por isso um fóssil vivo. Temos uma postagem somente sobre O que é um fóssil vivo?

      E como nossos oceanos tem coisas ainda para descobrir, e como tem. Agradecemos muito pelo seu comentário, um forte abraço.

      Equipe BioOrbis.

      Excluir

Imagens de tema por TommyIX. Tecnologia do Blogger.