Onicóforos: os vermes aveludados

Os onicóforos, comumente conhecidos como vermes aveludados é um filo de animais segmentados, bilaterais, vermiformes terrestres.

 https://www.bioorbis.org/2019/11/onicoforos-vermes-aveludados.html
Um onicóforo do gênero Oroperipatus. Fonte da imagem: Wikipédia

VAMOS DESCOBRIR...


Taxonomia e classificação científica dos onicóforos


Os onicóforos constituem um grupo de invertebrados terrestres muito antigos. Evidências fósseis indicam que seus ancestrais se moveram do mar para a terra há mais de 400 milhões de anos e membros desse grupo são atualmente encontrados na maioria das massas de terras. Em virtude da pouca modificação que sofreram ao longo de todo esses milênios, são considerados “fósseis vivos”. A posição filogenética dos onifóforos tem sido muito discutida, pelo foto de possuírem algumas características semelhantes às dos anelídeos e artrópodes. Todavia, o grupo é geralmente considerado como um filo independente, chamado Onychophora. O nome desse filo, Onychophora (do grego onychos, unha, garra, e phoros, portador), refere-se exatamente à presença de garras nas suas numerosas patas.



As análises clásticas realizadas por Monje-Najera em 1995, utilizando características de grupos recentes e fósseis, coloca os onicóforos entre os poliquetas e os artrópodes. Já Waggoner em 1996, fez um estudo filogenético de fósseis do pré-cambriano, concluiu que os onicóforos não podem ser considerados artrópodes.



São conhecidas hoje mais dede cem espécies de onicóforos, classificadas em duas famílias: os Peripatopsidae, encontrados no Chile, África do Sul e Austrália, e os Peripatidae, encontrados nas Antilhas, México, América Central, América do Sul e oeste da África Equatorial e sudeste da Ásia. Entretanto, o número de espécie pode ser substancialmente maior. Uma pesquisa feita por Reid (1996), fazendo uma revisão dos Peripatopsidae da Austrália, descreveu 22 gêneros novos e 41 espécies novas.


Figura 2. Um onicóforo soltando o muco para capturar uma presa. Fonte da imagem: ocaysdoze

No Brasil, são encontrados dois gêneros de onicóforos: Peripatus e Oroperipatus. As espécies conhecidas são Peripatus edwardsi, Peripatus simoni, Peripatus brasiliensis, Peripatus heloisae, Peripatus evelinae, Peripatus tucapi, Peripatus acacioi e Oroperipatus bluntshlii. Mas o número de espécies ainda pode ser maior.



Pesquisas feias por Read (1988) ressalta que os onicóforos do Novo Mundo são pouco conhecidos em virtude de sua raridade e da dificuldade de identificação das espécies. Como exemplo, em Minas Gerais, a única espécie conhecida é a Peripatus acacioi, descoberta no que é hoje a Estação Ecológica de Tripuí, no município de Ouro Preto, descrita por Marcus & Marcus (1995).



Habitat e distribuição geográfica dos onicóforos


A distribuição desse grupo e relativamente restrita à regiões tropicais ou regiões temperadas do hemisfério sul. A maioria das espécies é confundida a habitats úmidos, como florestas tropicais pluviais, vivendo sob troncos, pedras e folhas ou ao longo das margens de riachos.

Características morfológicas dos onicóforos


Os onicóforos apresentam características intermediárias de anelídeos e de artrópodes. Eles possuem um corpo alongado, entre 5 a 10 cm de comprimento, pele aveludada, daí o nome comum de verme aveludado, de cor marrom ou acinzentada, e numerosos pares de patas curtas e grossas, que terminam em pequenas garras afiadas. Veja detalhes na Figura abaixo:


Figura 3. Anatomia de um onicóforo. (A) Antenas, patas, olho e corpo. (B) detalhes das patas e da boca. Fonte da imagem: educabras

Na sua cabeça existe um par de antenas e um par de papilas secretoras de muco, com as quais esses animais podem lançar um jato gosmento, que imobiliza as suas presas.



Alimentação dos onicóforos


Os onicóforos são carnívoros e capturam, de insetos, vermes e até lesmas, com o auxílio de uma substância adesiva, como citado acima, que também pode ser expelida para defesa. E eles devoram com o auxílio de dentes quitinosos e bastante afiados.

Estado de conservação dos onicóforos


Os onicóforos foram enquadrados na categoria de “vulneráveis” pela IUCN. As espécies sul-africanas são todas protegidas legalmente e, na Austrália, foi constituído um plano de conservação para o “verme aveludado”, como são lá chamados os onicóforos. Esse plano, que envolve as espécies Tasmanipatus anophthalmus e T. barretti, modificou as práticas florestais na Tasmânia.



No Brasil, Peripatus acacioi é a única espécie de onicóforo que consta na Lista Oficial de Espécies da Fauna Brasileiras Ameaçadas de Extinção (Ibama,portaria 1522/89), merecendo legalmente proteção especial.

Referências
Marcus, E. & Marcus, E.A. A new Peripatus from Minas Gerais, Brazil. Na. Acad. Bras. Ciênc. 27:189-193.
Monje-Najera, J. Phylogeny, biogeography anda reproductive trends in the Onychopora. Zool. J. Linn. Soc. 144(1):21-60. 1995.
Reid, A.L. Review of the peripatopsidae (Onychopohora) in Australia, with comments on peripatopsid relationships. INvertebrate Taxonomy 10(4):663-936. 1996.
Read, V.M.St.J. The onychophora of Trinidad, Tobago na Lesser Antilles. Zool.J.Linn. Soc.93:225-257.
Waggoner, B.M. Phylogenetic hipotheses of the relationships of arthropods to pre-cambrian and cambrian problematic fóssil taxa. Syst. Biol. 45(2):190-222. 1996.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.