Animais que vivem em bandos: vantagens de uma vida em sociedade

A sociabilidade ou viver em grupos e bandos, não está limitada às espécies de mamíferos que caçam em grupo, e as vantagens potenciais da sociabilidade não estão restritas ao comportamento predador.

https://www.bioorbis.org/2019/03/animais-bando-sociedade.html
Elefantes em bando. Pixabay/Domínio Público.

VAMOS DESCOBRIR...

✅ Canal no Youtube | Inscreva-se AGORA ✅
https://www.youtube.com/channel/UCdjF1j_jYXGznBq955YWDoQ?sub_confirmation=1

Os mamíferos podem derivar benefícios da sociabilidade em termos de evitar a predação e facilitar a alimentação, a reprodução e o cuidado dos mais jovens.

Leia também:

DEFESA CONTRA PREDADORES


Uma provável vantagem da sociabilidade é a redução do risco de predação para um indivíduo que faz parte de um grupo, comparado ao risco de um indivíduo solitário. Os benefícios da vida em grupos e bandos para evitar a predação tomam muitas formas, mas a maioria delas podem ser agrupadas nas categorias que se seguem:

Mais Olhos, Mais Tempo


Um grupo de animais poderá detectar mais facilmente a aproximação de um predador do que um indivíduo sozinho, simplesmente porque um grupo tem mais olhos, mais orelhas e mais narizes para manter a vigília.

Como resultado dos vigilantes extras um indivíduo, em um grupo, pode ser capaz de devotar uma proporção maior de seu tempo à alimentação, se preocupando menos com os predadores do que um indivíduo solitário.

Um leão solitário passa em meio a bandos de outros mamíferos. Pixabay/Domínio Público.

Os mamíferos que vivem em grupos, geralmente, ocorrem em habitats abertos, enquanto as espécies solitárias são encontradas usualmente em florestas; tal relação pode refletir parcialmente os aspectos anti-predação da vida em grupo.

Leia também:



Diluição, Confusão e a Manada Interesseira


Alguns dos benefícios da sociabilidade, para evitar os predadores, resultam da redução do risco de predação para um indivíduo que faz parte de um grupo, não para a espécie como um todo. A presença de um grande número de presas animais potenciais pode exceder a capacidade predatória de um número limitado de predadores se a presa só estiver presente por um período de tempo limitado.

zebras-bando-girafa
As zebras tem uma excelente camuflagem que confunde os predadores. Pixabay/Domínio Público.

Por exemplo, as grandes manadas nômades de gnus que seguem a inconstância das chuvas ao longo da savana africana contêm mais indivíduos que um grupo de cães selvagens pode comer durante o período que as manadas atravessam o território dos grupos residentes. E, quando os cães atacam uma manada, é criada uma confusão, assim que tentam separar um indivíduo e prossegui-lo entre um aglomerado de animais, onde todos têm a mesma maneira de aumentar a chance de um gnu escapar.

O benefício pode ser especialmente grande para os indivíduos que conseguem permanecer no centro da manada; os predadores perseguem e capturam indivíduos situados na periferia da manada antes de agarrar os que se encontram no centro. (Esta é a hipótese da manada interesseira, a qual propõe que a proteção que um indivíduo recebe por estar em um grupo depende do comportamento de outro indivíduo desse grupo - nem todos podem estar no centro.)

Leia também:



Defesa em Grupo


Os grandes mamíferos sociais podem formar uma parede defensiva quando um predador se aproxima. É típico os adultos confrontarem o predador, mantendo os jovens e algumas vezes fêmeas escondidos atrás deles. O boi almiscarado (Ovibos moschatus) é o exemplo mais familiar desse comportamento, algumas vezes formam um ciclo completo, com os adultos formando uma fortificação externa para enfrentar um bando de lobos, e os jovens permanecem protegidos no interior desse círculo.

Sociabilidade e Reprodução


Agrupamentos de animais são fatores importantes dos sistemas de acasalamento e do cuidado parental.

Leões em grupo. Pixabay/Domínio Público.

O extenso período de dependência de muitos mamíferos jovens com seus pais cria um cenário no qual muitos benefícios da sociabilidade podem ser manifestados. O cuidado maternal dos descendentes é universal dentre os mamíferos, e os machos de muitas espécies também têm um papel no cuidado parental.  A vida em grupo fornece oportunidades para interações complexas dentre os adultos e os jovens, as quais envolvem diversos tipos de comportamento aloparental (cuidado fornecido por um indivíduo que não é parente do jovem sendo beneficiado). A criação colaborativa dos jovens de diversas mães é característica dos leões e de muitos canídeos.

Frequentemente, indivíduos fora de fase de reprodução se juntam às mães, protegendo e criando os jovens. Dentre os mangustos anões (Helogale undulata), este tipo de comportamento se estende ao cuidado dos adultos doentes; comportamentos similares são registrados para mamíferos tão diversos quanto os elefantes e os cetáceos. Muitos grupos sociais de mamíferos consistem de indivíduos aparentados, e estes ajudantes que não se reproduzem podem aumentar seu desempenho inclusivo por meio da assistência na criação dos descendentes de seus parentes.

Leia mais:

PREDAOR OU PRESA? DESCUBRA O QUE OS OLHOS DOS ANIMAIS PODEM REVELAR


Um estudo revela por que alguns animais têm pupilas verticais e outros pupilas arredondas como os seres humanos, no qual possibilitam o sucesso na caça predatória.

De acordo com um estudo de 214 espécies de animais terrestres publicado no jornal Science Advances, o nicho ecológico de um animal é um forte preditor da forma da pupila. Espécies com pupila que são fendas verticais são mais susceptíveis de serem predadores que estão ativos tanto de dia e de noite. Em contraste, aqueles com pupilas horizontalmente alongadas são muito provável que seja espécies herbívoras com olhos nos lados de suas cabeças.

Animais presas e animais predadores


As pupilas circulares estão ligados a ativos forrageiros, ou animais que perseguem suas presas.

Para explicar as pupilas horizontalmente alongadas, com poucas exceções, correspondeu a presas tais como ovelhas, veados e cavalos, os autores do estudo, Prof Martin Banks, da Universidade da Califórnia, em Berkeley, e co-autoree, virou-se para modelos de computador para estudar os efeitos de diferentes formas da pupila.

Os cientistas descobriram que as pupilas horizontais ampliou o campo de visão efetivo. Quando esticada na horizontal, as pupilas estão alinhadas com o chão, ficando mais claro a partir da frente, traseira e laterais.

A orientação também ajuda a limitar a quantidade de luz ofuscante do sol acima de modo que o animal pode ver o chão melhor.

"O primeiro requisito visuais chave para estes animais é detectar a aproximação de predadores, que geralmente vêm do chão, então eles precisam ver panoramicamente no chão com o mínimo de pontos cegos. O segundo requisito essencial é que uma vez que eles fazem detectar um predador, eles precisam ver onde eles estão em execução. Eles têm de ver bem o suficiente para fora do canto de seu olho para executar de forma rápida e saltar sobre as coisas ", explicou Prof Banks.

Mas o que acontece com esta orientação quando o animal abaixa a cabeça para pastar? Se o aluno segue o arremesso da cabeça, eles se tornariam mais vertical.

"Para verificar isso, passei horas no jardim zoológico de Oakland, muitas vezes cercado por crianças da escola em viagens de campo, para observar os diferentes animais. Com certeza, quando cabras, antílopes e outros animais pastando colocam a sua cabeça para baixo para comer, seus olhos rodam para manter o alinhamento horizontal das pupilas com o solo ", disse o professor Banks.

"Os olhos dos animais que pastam pode girar em 50 graus ou mais em cada olho, uma gama 10 vezes maior do que os olhos humanos."


Já as pupilas de grandes felinos como os tigres, também são redondas.

Para predadores de emboscada com pupilas verticais de fenda, os cientistas observaram a importância de medir com precisão os animais à distância seria necessário para atacar suas presas.

Visão binocular e olhos frontais e predadores


Eles identificaram três pistas geralmente usando para medir a distância: estereopsia; paralaxe de movimento, em que objetos mais próximos movem-se longe e mais rápido através de nosso campo de visão; e borrão, em que os objetos em diferentes distâncias estão fora de foco.

Eles descaram movimentos de paralaxe como um fator desde que utilizando sugestão exigiria o movimento da cabeça que poderia revelar a posição do predador.

"Os restantes dois sinais, a disparidade binocular e borrão, trabalhar em conjunto com as pupilas alongadas verticalmente e os olhos virados para a frente", disseram os cientistas.

"A visão binocular funciona melhor em julgar diferenças quando contornos são verticais e objetos se encontram a uma distância, enquanto borrão entra em jogo para contornos horizontais e metas de campo próximo. Pupilas verticais de fenda maximiza ambas as pistas. "


Repare que a posição dos olhos em cervos, ovelhas, cavalos e outros herbívoros, são localizadas mais para o lado do crânio.

As pupilas verticais não são distribuídas igualmente entre predadores de emboscada, no entanto.

"A coisa surpreendente percebemos a partir deste estudo é que as pupilas de fenda estavam ligadas aos predadores que estavam perto do chão. Então, os gatos domésticos têm fendas verticais, mas os felinos maiores, como tigres e leões, não. Suas pupilas são redondas, como as dos seres humanos e cães ", disse o co-autor Dr. William Sprague, da Universidade da Califórnia, em Berkeley.

Entre os 65 predadores de olhos frontais no estudo, 44 ​​tinham pupilas verticais, e 82% deles tinham alturas dos ombros que foram menores do que 42 cm. As pupilas verticais aparecem para maximizar a capacidade de pequenos animais para julgar distâncias.

A equipe explicou isso calculando que as pistas de profundidade de campo com base borrão são mais eficazes para estimar as distâncias para os animais pequenos do que os maiores.

Referência
POUGH, F. Harvery; JANIS, Christine M; HEISER, John B. A vida dos vertebrados. Atheneu Editora São Paulo, 2006. Tradução autorizada do original VERTEBRATE LIFE 6ª edição.
Sites: Sri-News.com.

Nenhum comentário:

Imagens de tema por clintspencer. Tecnologia do Blogger.