Será mesmo que existem anfíbios no deserto?

Uma pergunta intrigante. Os anfíbios são conhecidos por viverem em lagos, brejos e pântanos, mas como eles, e se é possível, viverem no deserto?

 https://www.bioorbis.org/2019/08/sera-mesmo-existem-anfibios-deserto.html
O sapo pé-de-espinho do Novo México (Scaphiopus multiplicatus). Fonte da imagem: wikipedia.

VAMOS DESCOBRIR...

A PELE DOS ANFÍBIOS


A pele permeável e as altas taxas de perda de água são características que parecem tornar os anfíbios improváveis habitantes dos desertos, mas certas espécies são abundantes nos habitats desérticos. Mais notável é o fato de que esses animais obtiveram sucesso no deserto por causa da sua pele permeável e não a despeito dela.



Os anuros estão entre os anfíbios que mais podem ser encontrados no deserto, mas as salamandras-tigre são encontradas nos desertos da América do Norte e muitas espécies de salamandras da família Plethodontidae ocupam habitats sazonalmente secos na Califórnia.



Os sapos pé-de-espinho do Novo México (Scaphiopus multiplicatus) são os anuros do deserto mais estudados (veja na Figura da entrada a postagem). Eles habitam as regiões desérticas da América do Norte, incluindo as margens das Algodones Sand Dunes, no sul da Califórnia, onde a precipitação anual média é de apenas 6 centímetros e, em alguns anos, nem chuva há. Uma análise dos mecanismos que permitem a um anfíbio viver em um ambiente como esse, deve incluir uma consideração tanto sobre a perda como o ganho de água. A pele dos anfíbios do deserto é tão permeável à água quanto à das espécies de anfíbios de regiões úmidas.

COMO OS ANFÍBIOS CONSEGUEM SOBREVIVER NO DESERTO?


Um anuro do deserto deve controlar, através do comportamento, a sua perda de água, escolhendo micro habitats protegidos, livres da radiação solar e do movimento do vento. Diferentes espécies de anuros utilizam diferentes micro habitats - a concavidade em um banco de aluvião do deserto, um buraco de esquilo terrestre ou de rato-canguru ou um buraco que o próprio anuro escava. Todos esses lugares são mais frios e úmidos do que o solo exposto.


Figura 2. Perereca africana (Chiromantis xerampelina). Fonte da imagem: wikipedia

Os anuros do deserto passam extensos períodos sob o solo, emergindo para a superfície somente quando as condições são favoráveis. Os sapos pé-de-espinho (Scaphiopus multiplicatus) constroem buracos de cerca de 60 centímetros de profundidade, enchendo a abertura com lama e deixando uma pequena câmara no fundo, que eles ocupam. No sul do Arizona, os sapos constroem esses buracos em setembro, no final da estação chuvosa do verão e permanecem neles até a chuva do próximo mês de julho.



No final da estação chuvosa, quando inicialmente os sapos se enterram, o solo é relativamente úmido. A tensão de água criada pela pressão osmótica normal dos fluidos corporais estabelece um gradiente, favorecendo o movimento de água do solo para o sapo. Nessa situação, um sapo enterrado pode absorver água do solo como fazem as raízes das plantas. Com o suprimento de água disponível, um sapo pode excretar urina para eliminar seus excretas nitrogenados.



A medida que o tempo passa, o conteúdo de umidade do solo diminui e seu potencial de umidade torna-se mais negativo, até que iguale o potencial hídrico do sapo. Nesse ponto, não há mais gradiente permitindo movimento de água para o interior do sapo. Quando sua fonte de água nova é cortada, um sapo para de excretar urina e retém ureia em seu corpo, aumentando a pressão osmótica de seus fluidos corporais. Concentrações osmóticas tão altas quanto 600 miliosmóis [kg FLO]"1 foram registradas nos sapos pé-de-espinho (Scaphiopus multiplicatus) emergindo dos buracos no fim da estação seca. O baixo potencial de água produzido pela alta pressão osmótica dos fluidos corporais do sapo pode reduzir o gradiente de água entre o animal e o ar, na sua câmara subterrânea, de modo que a perda de água por evaporação é reduzida. As pressões osmóticas internas, suficientemente altas, poderiam criar potenciais que permitiriam aos sapos absorver água mesmo de solo muito seco.


Figura 3. Perereca sul americana (Phyllomedusa sauvagei). Fonte da imagem: pybio.

A habilidade para continuar drenando água do solo possibilita a um sapo pé-de-espinho permanecer enterrado por 9 ou 10 meses sem acesso à água no estado líquido. Nessa situação, sua pele permeável não é uma desvantagem - é uma característica essencial da sua biologia.



Se o sapo pé-de-espinho tivesse uma pele impermeável ou se ela formasse um casulo impermeável, como alguns outros anfíbios fazem, a água não poderia se deslocar do solo para o animal. Ao invés disso, o sapo teria que depender da água contida em seu corpo quando enterrado. Sob essas circunstâncias, os sapos pé-de-espinho provavelmente não seriam capazes de invadir o deserto porque seu conteúdo hídrico inicial não seria suficiente durante os nove meses de estação seca.



ALGUNS OUTROS ANFÍBIOS RESISTENTES AO DESERTO


Um padrão diferente de adaptação a condições áridas é observado em algumas pererecas. Uma perereca africana (Chiromantis xerampelina, veja na Figura 2) da família Rhacophoridae e uma perereca sul americana (Phyllomedusa sauvagei, veja na Figura 3) da família Hylidae, perdem água através da pele a uma taxa de apenas um décimo daquela da maioria das rãs.


Figura 4. Pererecas do gênero Phyllomedusa. Image by bioederr from Pixabay.

As pererecas do gênero Phyllomedusa (Figura 4), alcançam essa baixa taxa e perda de água por evaporação, utilizando suas patas para espalharas secreções lipídicas de glândulas dérmicas sobre a superfície corporal, seguindo uma sequência complexa de movimentos de limpeza. Essas duas pererecas também são incomuns porque eles excretam ácido úrico ao invés de ureia, e essa característica reduz sua perda de água pela urina.



Referências
POUGH, F. Harvery; JANIS, Christine M; HEISER, John B. A vida dos vertebrados. Atheneu Editora São Paulo, 2006.

Para finalizar veja um vídeo do nosso canal BioOrbis, sobre 🐸 Cores e veneno para proteção: As armas dos anfíbios contra predadores:


Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.