Qual a diferença entre queimadas e incêndios florestais?

Neste ano de 2019 a polêmica foi grande em relação as queimadas e incêndios florestais. Como todos os anos isso é normal ocorrer em épocas de seca em nosso país, então vamos ver agora a diferença entre as queimadas e os incêndios florestais.

 https://www.bioorbis.org/2019/10/diferenca-queimada-incendio-florestal.html
Incêndio florestal. Imagem de skeeze por Pixabay

VAMOS DESCOBRIR...

✅ Canal no Youtube | Inscreva-se AGORA ✅ 
 https://www.youtube.com/channel/UCdjF1j_jYXGznBq955YWDoQ

QUAIS SÃO AS CAUSAS DO FOGO NAS FLORESTAS?


Primeiro vamos mostrar quais são as causas do fogo nas florestas. O fogo nos ecossistemas florestais pode ser entendido como o resultado da união do oxigênio presente no ar, com o carbono existente na orgânica da vegetação, o qual é iniciado por uma fonte de ignição ou mesmo por uma alta temperatura no ambiente. Este processo está associado a presença de fatores climáticos favoráveis tais como umidade relativa, precipitação pluviométrica, temperatura e vento. O fogo pode ser originado de um incêndio natural, queima controlada, uma queima acidental ou até intencional.

Não deixe ver outra postagem nossa sobre os efeitos do fogo:


DIFERENÇA ENTRE QUEIMADAS E INCÊNDIOS FLORESTAIS


Primeiro vamos falar da queimada e após os incêndios florestais. E também é importante mostrar o que é um foco de calor e um aceiro.

Queimadas


As queimadas fazem parte de técnicas tradicionais, em quase todo o Brasil, ou seja é uma ação antrópica não natural. O objetivo dessas queimadas é limpar uma área para o plantio de culturas temporárias. Suas cinzas contribuem com a fertilidade nem primeiro momento após o fogo se extinguir, mas se o fogo persistir pode vir a empobrecer o solo e ficará impróprio para o plantio. Depois de algumas colheitas essa área é deixada para descanso com a recuperação da vegetação.

Para essas queimadas feitas pela ação do homem não se transformem em incêndios, como no caso são feitas próximas à florestas nativas, é preciso aplicar algumas técnicas de segurança, entre elas a construção de aceiros, que falaremos após o incêndio florestal.

Incêndio florestal


O incêndio florestal é um fogo que se propaga sem controle em um terreno com florestas urbanas e nativas, afetando a flora e fauna. Um incêndio florestal distingue-se de outros tipos de incêndio pela sua ampla extensão, a velocidade com a qual se pode estender desde o seu lugar de origem, o seu potencial para mudar de direção inesperadamente, e a sua capacidade para superar obstáculos como estradas, rios e aceiros.


Dependendo do tipo de vegetação em que ocorre, um incêndio florestal também pode ser classificado mais especificamente como uma das seguintes ocorrências:

- fogo de taiga;
- fogo de estepe;
- fogo do deserto;
- fogo de pampa;
- fogo de savana;
- fogo da tundra;
- fogo de montanha;
- fogo de caatinga;
- fogo de pastagem.

Bombeiros fazem um trabalho crucial e único ao combate as chamas nos incêndios florestais. Imagem de skeeze por Pixabay

Um incêndio possuiu três fases distintivas: iniciação, propagação e extinção

- Iniciação: é o começo do incêndio produzido por causas naturais ou maioritariamente pela ação humana.
- Propagação: é a extensão do incêndio pela vegetação próxima.
- Extinção: é a finalização do incêndio por causas naturais (chuva ou falta de vegetação) ou por ação humana (trabalhos de extinção), ou seja, pelos bombeiros.

Aceiros


Agora que já viram a diferença entre uma queimada e o incêndio florestal vamos mostrar o que é um aceiro e o que é o foco de calor logo depois. A abertura de um aceiro é fundamental para a contenção do fogo. Ele consiste em uma faixa sem vegetação, que impeça o avanço das chamas. Pode ser aberto com ferramentas como enxadas e rastelos, com trator ou com fogo. O aceiro de fogo (ou aceiro negro) só é recomendado por quem domina a técnica, sob risco de causar um outro incêndio.

Foco de calor


Um foco de calor é um dado capturado pelos satélites de monitoramento que estão a uma altitude de 700 a 900 km sobre o planeta. Os sensores do satélite registram temperaturas acima de 47°C. Ao longo dos anos, o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) tem avançado na auditoria das detecções de focos de calor com intuito de evitar falsas detecções, desta forma, dificilmente um foco de calor detectado não seja incêndio ou queimada. Um incêndio ou uma ocorrência podem gerar um ou vários focos de calor, dependendo da extensão da linha de fogo.

ECOLOGIA DO FOGO


Agora para finalizar vamos mostrar a ecologia do fogo.

A ecologia do fogo ocupa-se dos processos que ligam a incidência natural do fogo num ecossistema e os efeitos ecológicos do dito fogo. Muitos ecossistemas, em particular a pradaria, a savana, o chaparral e os bosques de coníferas, evoluíram com o fogo como um elemento necessário para a vitalidade e a renovação do habitat.

Muitas plantas germinam muito bem após incêndios e outras brotam (reprodução assexual) de modo bastante eficaz. A planta Silva Manso (Adenocalymma nodosum) nativa do cerrado, é um bom exemplo. Diversos autores relacionaram os conceitos de piroecologia e biodiversidade. Não é novo o considerar que existe um papel fundamental do fogo nos nossos ecossistemas para sua manutenção e equilíbrio.

Referências
Landa; Giovanni Guimarães. Ecologia – Uma ciência complexa vista sob uma linguagem simples. Fundação Mariana Resende Costa. Primeira edição – 2008.
Laury Cullen Jr.; Rudy Rudran; Cláudio Valladares-Padua. Métodos de Estudos em Biologia da Conservação & Manejo da Vida Silvestre. Editora UFPR.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.